Archive for February, 2013

Mais uma vez, a nossa imberbe e virgem democracia foi vilipendiada.

Eis a situação:

Uma delegação da UNITA, liderada por Isaías Samakuva, que visitava as populações desalojadas em Cacuaco, nos bairros de Maiombe e Baixa de Cassanje, foi impedida de realizar a sua jornada de solidariedade pela Polícia Nacional, que até levantou helicópteros para este desiderato. Mas desde quando é que para se fazer um donativo deve-se informar a Polícia? É uma regra constitucional? Tanto quanto sabemos não.

Este episódio é uma evidência de que as ordens superiores superam os pressupostos constitucionais. Nada estranho, tendo em conta a lógica da guerra que ainda paira na cabeça do Presidente do MPLA, por isso é que eles confundem manifestação pacífica com guerra. O MPLA e o seu líder até hoje não sabem das vantagens da lógica da democracia.

Com mais este abuso de poder, perguntamo-nos: Somos mesmo um Estado democrático de direito?

Categoricamente, pensamos que não.

Claro que para o senhor Norberto Garcia, um dos mais fanáticos militantes do MPLA, Angola tem uma democracia exemplar e imaculada. Não admira que ele se preste a fazer o papel de defensor da ditadura, advogado do diabo.  Esperamos sinceramente que isto não dê cabo da sua saúde mental.

Este militante do MPLA tem demonstrado uma enorme falta de coerência nos seus pronunciamentos. Factos: há dias num debate na Rádio Eclésia, NG afirmou que em Angola, há localidades com mais escolas do que alunos. É para levar a sério quem diz tamanha barbaridade? No sábado passado, ele, diante das câmaras e microfones da TPA, acusou Isaías Samakuva de incitar os populares à violência. Ora bem, este tipo de propaganda politica não ajuda o processo de reconciliação nacional nem o progresso da corrente democrática que se quer instalar no país.

 

Mais triste ainda, é o facto de que Norberto Garcia, que até parece ser um jovem promissor, está a ser usado e manipulado pela ala corrupta do MPLA, liderada pelo Zé dos dólares. Não sabemos quanto lhe pagam para travar o avanço do comboio da democracia, porém, sabemos que se ele não se cuidar o comboio vai atropelá-lo. Ele rema contra a maré. Ele está a usar a inteligência para proteger saqueadores do erário público. Portanto, os únicos frutos dessa sua aventura politica serão: doutoramento em DEMAGOGIA e alguns Kwanzas no cafocolo.

Repetimos: Esperamos sinceramente que isto não dê cabo da sua saúde mental.

Ontem por volta das 19h15 saí de casa com o intuito de encontrar-me com um ex-colega e chefe, nas imediações do Kapalanga, para tratarmos de um assunto de interesse mútuo. Como o bairro dele fica perto do bairro de uma amiga, Edna, tendo terminado o meu encontro, fui até a sua casa. Seriam mais ou menos 20h20.

Deixei-me estar na conversa até às 21h45 e, quando decidi voltar para casa, tomando a estrada que liga a Universidade Jean Piaget. Seguia tranquilamente por essa via e a dada altura ia atrás de uma viatura que a polícia mandou parar, numa das suas muito habituais operações “stop”.

Como também tem sido não menos frequente por parte dos automobilistas luandenses, quer por não estarem devidamente documentados, quer por terem deixado de temer as consequências de desrespeitar o agente de trânsito, quer por falta de paciência para mais uma troca de palavras desnecessária com agentes gasoseiros, o motorista do veículo deu mbaya e fintou o agente que não se deixou desconcertar, pois, a finta revelou-lhe um novo alvo a abater: eu!

O bongó assim que me viu atirou-se logo para frente da moto: “ pára, pára, pára, pára!”. Como eu trazia uma velocidade acima dos 40km/h, o bongó terá pensado que eu tencionava por-me em fuga, barrou-me a passagem e eu fui parar à beira de uma vala de drenagem. Nisso, veio outro policia, colega da barreira humana de farda azul, pegou-me na pasta à força, despoletando uma uma azeda troca de palavras, que começou com os insultos dos desrespeituosos agentes: “filho da puta” para aqui, “gatuno” para ali, coisa que eu não deixei barato, levantando-lhes a voz para acalmá-los e, seguidamente, num tom mais calmo, informá-los que era um cidadão consciente dos meus direitos que eles estariam a violar, citando os artº 60 (proibição de tortura e tratamentos degradantes) e 63 (direitos dos detidos e preso) da CRA. Isto teve o efeito desejado, fazendo com que os agentes passassem imediatamente a tratar-me de forma mais profissional.

Depois de 10 minutos apareceu a carrinha dos azulinhos, parou e perguntou o que se estava a passar. O colega começou a informar, relatando o que aconteceu de acordo com a sua eternamente distorcida percepção dos factos, tornando o agente num zeloso cumpridor da lei e o cidadão num infractor fracassado graças a sua pronta intervenção.

Exigiram que subisse no carro declarando: “estás preso por não andares com os documentos da moto”, o que obedeci.

Subindo no carro, deparei-me com um jovem debaixo do banco algemado, aparentando ter entre 26 e 27 anos de idade, a chorar. Os polícias estavam a bater-lhe forte e feio e disseram que o “ o gajo foi apanhado a conduzir sem cartas, embriagado e com porte ilegal de arma de fogo que é do pai dele, nosso colega”.

Chegámos à esquadra 45º do Kapalanga, desci do carro e entrei na casa deles. Assim que entrei, deparei-me o Comandante Barão, que me reconheceu de imediato, dirigindo-se a mim nos seguintes moldes:

    • “Tás aqui? Fizeste o quê?”
    • “Prenderam a minha moto”
    • “Ó Dr. Fábio pá, nunca mais, como vai o vosso movimento?”
    • “Vai bem”.

Já lá vinham 3 bongós a esfregar as mãos, com o ar de satisfação mórbida de quem está prestes a regozijar-se com o sofrimento alheio, preparando-se para me chapar, quando foram interrompidos nas suas intenções pelo “Chefe Barão” que lhes bradou: “Não mexem neste gajo! Se lhe tocarem, esse gajo vai falar na rádio e vai meter na net, deixam só, ele vai ir buscar os documento da moto”.

Seguidamente, ordenou que me devolvessem os documentos, e disse-me: “pode ir em casa, amanhã vem com os documento para tirar a sua moto”. Decidi ver até onde podia esticar a corda e declarei que não tinha massa para táxi. Acto contínuo, o Comandante tirou do seu próprio bolso 500 “Manguxi e Zé Dú”, também conhecidos pelo nome de código “kwanzas” e deu-mos para que me pudesse ir então embora. Como eram quase 23h, exprimi-lhe reticências em pegar a minha rota ainda por iluminar, dizendo que “através” do avançar da hora seria muito arriscado ir até a minha banda. Voltou a ser solicito oferecendo-me as instalações para que passasse a noite protegido. Deu-me uma sala com ar condicionado e TPA.

Por volta das 23h30, ligou-me o meu amigo Angelino a quem solicitei boleia e assim pude voltar em segurança para casa.

Assim foi a minha aventura nocturna com a nossa polícia e, no meio de tantas coisas para criticar, não posso omitir as que há para elogiar. Cheguei a conclusão que “isto” de ser activista tem as suas vantagens na desconjuntada parafernália de irregularidades que vigoram na nossa sociedade. Saí no lucro, tratado com a dignidade que merecem todos os seres humanos e mais rico de 500 “Manguxi e Zé Dú”.

Super! 32 é muito!

Por Fábio Sebastião

A moto apreendida

A moto apreendida

Num país maioritariamente jovem, o desenvolvimento humano e social também passa necessariamente pelo desporto. Milhões de jovens angolanos ficam sem explorar os seus talentos no desporto porque o Executivo Angolano, liderado por José Eduardo dos Santos, ainda não encontrou as melhores soluções para o desenvolvimento do desporto nacional. O que eles gostam mesmo é do imediatismo, de resultados que caiem do céu. Não se fala do esforço, da dedicação, da entrega que dão outro sabor às vitórias! Só se fala de milhões de dólares para as selecções e projectos megalómanos que funcionam como plataformas de esquemas e comissões ilícitas. – ALGUÉM VIU POR AÍ O RELATÓRIO DO CAN 2010 REALIZADO EM ANGOLA? – Desde aí podemos ver que a pirâmide da politica desportiva deste Executivo está estupidamente equivocada e geometricamente invertida. No meio disso tudo, temos um ministro da Juventude e Desporto, totalmente devotado à bajulação do “arquitecto”. Pois claro…

Que tal se começarmos a investir mais milhões de dólares nas categorias de formação? Que tal se promovermos o desporto escolar como forma de afastar os mais jovens das bebedeiras e festas gratuitas, que só promovem descontroladamente o consumo de álcool e drogas? Uma população jovem precisa de estímulos positivos: o desporto é garantidamente um deles. Já que o investimento nos livros e bibliotecas é penoso, prejudicando o desenvolvimento intelectual e académico dos jovens angolanos. Então, pelo menos facilitem o nosso desenvolvimento atlético e desportivo. Custa muito? O dinheiro que todos os anos o Estado gasta em viaturas novas não pode ser canalizado para este propósito?

Num programa de TV, o cota Mário Rosa, Secretário Geral do Comité Olímpico angolano, que tem sido um facebookiano frontal, coerente e objectivo nas suas propostas de debate, apresentou-nos algumas soluções para este imbróglio que já parece uma maldição da nação angolana. Os doutores do partido da situação ainda não chegaram ao mesmo fio de pensamento do cota Mário Rosa? Pudera depois de termos escutado o político do MPLA, Norberto Garcia, num dos mais recentes debates da Rádio Eclésia, concluímos que as prioridades deste governo e deste partido não são as prioridades dos Angolanos.

Our very own centraleiro Claudio Silva wrote an article for Africa is a Country about the role of social media in Angola and how it helped spread two viral videos that showed abuses against Angolan citizens. The article was later picked up the The GuardianBut as with most things in Angola, everything is not what it seems. Read on:

For the past two weeks, Angolans who use Facebook and other social media sites viewed and shared two particularly gruesome videos. One showed prison officials severely beating incarcerated men in the Comarca de Viana (Viana Jail), while the other, even more heinous, showed several men brutally beating and abusing two women who had allegedly attempted to steal a bottle of Moët & Chandon from the shop the men owned. The latter video lasts 13 long, uncomfortable minutes and among its more difficult scenes is the one in which an attacker forcibly kisses one of the women while the others laugh, and another in which the shop-owner beats the women with the blade of a machete. The video shows several men participating in the beating, while others, including women, stand by and watch while egging on the attackers. Both videos went viral in Angola.

They evoked very strong emotional reactions, particularly the second one. Within a matter of days, they had been mentioned on state television and talked about in public and private newspapers. It marks the first time that videos have gone truly viral in a country in which only about 5% of the population has access to the internet.

The videos come at a sensitive time. People continue to be shocked at the level violence permeating Angolan society. The torture and murder of a popular and well-liked teen last year at the hands of his teenage friends — which prompted a march against violence along Luanda’s new Marginal — is still fresh in many people’s minds. But the most remarkable outcome of this mass sharing of media was that the Angolan attorney general, or Procuradoria Geral da República (PGR) as it is locally known, actually did something about it. And they did it publicly and swiftly.

Read the rest of the article here or here.

Não queremos continuar calados e na espera eterna enquanto os nossos amigos continuam desaparecidos! Estamos especialmente preocupados com o silêncio dos representantes do governo que em peito alto assumiram investigar e esclarecer caso no passado dia 20 de dezembro de 2012 numa reunião que mantivemos com o Ministro do Interior, o Diretor Nacional da DNIC, o Vice-Procurador Geral, o Vice-Ministro da Justiça e outras entidades do poder executivo e administrativo do país, estando presentes também familiares próximos dos nossos companheiros desaparecidos desde Maio de 2012.

Não vamos nos calar e queremos saber o paradeiro dos nossos amigos quer estejam VIVOS ou MORTOS! Foi esta preocupação que nos moveu a elaborar a carta que agora tornamos pública para a sociedade angolana e não só.

Vamos continuar a olhar para isso como se nada tivesse acontecido? Hoje é Alves Camulingue e Isaias Cassule, amanha poderá ser qualquer um de nós. Precisamos dizer um basta nisso, somos seres humanos, a nossa vida tem valor! Exigimos, respeito pelas nossas vidas e dignidade humana. Não é crime reclamarmos os nossos direitos, os responsáveis por esses atos devem ser apresentados e julgados segundo a nossa lei.

Não é um crime nascer em Angola, não é crime combater uma ditadura! Não é um crime dizer que Eduardo dos Santos está no poder há mais de 32 anos! Não é crime dizer que Angola está a ser desgovernada! Não é crime manifestar-se contra as inúmeras injustiças que se cometem contra os angolanos! Não é crime ter opinião! Então por que raptaram os nossos amigos?

Por considerarmos como insultuosa e execrável a utilização de um assunto tão delicado para os habituais aproveitamentos políticos com fanfarronices televisionadas, por recusarmos ser meros atores nesta peça teatral e pelas famílias humilhadas, exigimos a quem de direito que, no prazo de 15 dias, nos dê um esclarecimento definitivo acerca do paradeiro dos nossos irmãos. O não cumprimento deste ultimato traduzir-se-á numa multiplicação de incessantes reivindicações públicas, estando a primeira agendada para exatamente 15 dias após receção da carta em anexo, entregue ao MININT no dia 2 do corrente.

Que se dignifique o homem angolano, que se respeite a soberania do povo angolano, e que se faça, acima de tudo, justiça.

Carta à entidades competentesCarta 2