Archive for the ‘Angola’ Category

A Nicki Minaj cantará amanhã em Luanda a convite da UNITEL. A decisão dela de tocar no país tem sido internacionalmente condenado. Partilhamos aqui a carta que a Human Rights Foundation enviou a ela.

Nicki Minaj is slated to perform tomorrow in Luanda after accepting Unitel’s invitation to do so. Her decision to play in Luanda has triggered international condemnation. Read Human Rights Foundation’s letter to her.

(In English)

December 15, 2015

Nicki Minaj

Category 5 Entertainment

c/o Brian Sher

Dear Ms. Minaj,

According to reliable information provided by Human Rights Foundation (HRF) contacts in Angola, you will travel to Luanda to perform at a “Christmas Festival” taking place on December 19, 2015.

As you might know, Unitel, a mobile telephone company controlled by Isabel dos Santos (daughter of Angolan dictator José Eduardo dos Santos) is financing your performance.

I am writing to urgently inform you of the human rights crisis in Angola; to explain the role that dictator dos Santos has played in violating the rights of millions of Angolans; and to request that, in view of your status as a global personality, you cancel your performance. Ms. Minaj, the payment you are receiving from your Angolan sponsors is the result of government corruption and human rights violations.

During their brutal three-decade authoritarian rule, the dos Santos family has exploited Angola’s diamond and oil wealth to amass an illegitimate fortune while maintaining control over all branches of the government, the military, and civil society. Dos Santos has made it his policy to harass, imprison, or kill politicians, journalists, and activists who protest his rule.

In Angola, independent media are subject to systematic legal and physical persecution. Journalists are routinely arrested, beaten, and even disappeared when covering corruption matters and exposing the dos Santos criminal enterprise. Beyond censoring through violence, the Angolan regime owns the only national radio station, controls the only daily newspaper, and exerts control over Angola’s television stations. Artists such as yourself are not allowed to freely express their opinions in Angola, where criticizing the government is a crime punishable with fines and imprisonment.

HRF is not alone in condemning Angola’s dictatorial regime. The country is ranked number 123 out of 180 countries by Reporters without Borders in its 2015 World Press Index. Other major organizations have documented the dos Santos family’s human rights crimes, including Freedom House, Human Rights Watch, Amnesty International, and the Committee to Protect Journalists.

To underline the rampant corruption in Angola, consider that in 2014 Transparency International ranked Angola 161 out of 175 countries in their corruption index. Furthermore, according to the highly credible 2 anticorruption organization Maka Angola, the president’s billionaire daughter Isabel dos Santos is the main beneficiary of the “blood diamond” trade in Angola.

The dos Santos regime’s ongoing crackdown on dissent is well illustrated by a current trial against 17 peaceful activists in Angola. The 17 individuals, including Angolan hiphop and rapper star Luaty Beirão, were arrested and detained in June 2015 in the city of Luanda after attending a meeting to discuss democracy and non-violence. Specifically, they discussed Gene Sharp’s book “From Dictatorship to Democracy,” a guide to nonviolent resistance. These activists were jailed for more than 90 days without being formally notified of the charges they were facing. And now they will be tried on charges of plotting to overthrow the Angolan government.

Ms. Minaj, you are well known for being involved with charities such as the Get Schooled Foundation, which helps motivate young people to graduate from high school and succeed in college. Yet, if you move forward with this performance for the dictator and his family, you will be in league with the people stealing educational resources and opportunity from young Angolans. As a strong-willed independent artist shouldn’t you be advocating for the release of the imprisoned rapper Luaty Beirão rather than entertaining the dictator and his thieving family?

Considering the information above—and with great appreciation for your work as an artist—HRF believes that your participation in a performance sponsored by a thuggish kleptocratic dynasty involved in gross human rights violations would be improper. Furthermore, it would be disastrous for a public figure of your standing who has articulated a commitment to education and social justice.

HRF asks you to urgently consider canceling your Unitel performance, scheduled for December 19, in Luanda, Angola. If you have any questions, you can contact me at (212) 246-8486 or by email at thor@hrf.org.

Very truly yours,

 

Thor Halvorssen

President

Human Rights Foundation

 

Publicado no website do Human Rights Foundation:

http://humanrightsfoundation.org/uploads/HRF_letter_to_Nicki_Minaj.pdf

Julgamento dos 15

*Photo por Ampe Rogério

You can find the English translation below

Terça-feira, 8 de Dezembro

O processo dos 15+2 prosseguiu hoje com início meio atribulado com a chuva que assolou a cidade de Luanda, impedindo o início pontual da sessão pela chegada tardia do advogado de defesa Walter Tondela. Impaciente o juiz Januário Domingos serviu-se do pretexto para atribuir um defensor oficioso de nome Albano Guerra ao réu José Gomes Hata. O interrogatório de José Hata teve início na segunda-feira. As sessões começam habitualmente as 10h50. Deu-se o início da sessão com interrogatórios do Ministério Público ao réu que desde logo teve uma posição: “Digno representante do Ministério Público, ontem eu fui claro em dizer que não vou responder a nenhuma pergunta; Meritíssimo juiz, eu não tenho confiança no defensor oficioso, não o conheço, e na ausência do meu advogado eu vou-me manter em silêncio durante a sessão.” Não tardou, entrava o seu advogado Walter Tondela para sala de audiência.

O Ministério Público exibiu o vídeo número 4 onde se ouvem supostamente as vozes dos co-réus Mbanza Hamza e Luaty Beirão, com a imagem de alguns participantes nos debates a darem costas à câmara. Depois seguiram-se mais interrogatórios ao Hata e mais tarde foi a vez do réu Sedrick de Carvalho.

Sedrick respondeu fundamentalmente as questões obrigatórias sobre a sua identidade e depois foi franco em dizer ao juiz: “Meritíssimo, só responderei as perguntas relacionadas aos factos puníveis pelo código penal”. Seguramente Sedrick citou alguns artigos plasmados no código penal. Mais adiante deu-se o intervalo. No reatamento o juiz Januário Domingos e o seu auxiliar Agostinho continuaram com os interrogatórios ao Sedrick.

Na maioria as questões feitas pelo juiz foram do género: “Porque é que falaste de ética sobre alguns que convocam uma manifestação e não aparecem no local?” Sedrick, limitou-se a dizer: “Não vejo relevância nesta pergunta e por isso, nada a declarar.”

Por fim o juiz alegou que pelas notáveis ausências de alguns dos co-réus até aqui já interrogados, tais como: Domingos da Cruz, Nito Alves e Nuno Dala, alegadamente por razões de saúde, o tribunal decidiu que de agora em diante só estarão presentes nas sessões os co-réus que estejam indicados para serem ouvidos nas mesmas. Todos os outros permanecerão nas suas celas.

O réu Mbanza Hamza pediu ao advogado para expor a sua preocupação que se cingia em: “Caso um dos co-réus queira assistir a sessão haveria uma exceção à esta decisão?

O juiz respondeu: “nós fomos bem claros na nossa decisão, não.”

O juiz deu por terminada a sessão indicando a continuação da audição do Sedrick para o dia seguinte e indicando Fernando António Tomás “Nicola o Radical” como o próximo a ser ouvido.

Pelo nosso repórter cívico,
edição feita por @CA7311

SUMMARY OF THE 17th DAY OF THE TRIAL OF THE 17

Tuesday, December 8

The process of the 15+2 carried on today with a troubled beginning due to the rain that hit the city of Luanda, delaying the start of today´s session with the late arrival of defense attorney Walter Tondela. Impatiently the judge Januário Domingo used it as a justification to attribute a public defender by the name of Albano Guerra to the defendant José Gomes Hata. Hata´s questioning started on Monday. The session initiated as usual at 10h50 am.

Today´s session opened with the questioning of the defendant by the Public Ministry, who immediately made his statement: “Honorable representative of the Public Ministry, yesterday I was clear in saying that I will not answer any of your questions; Dear judge, I have no faith in the public defender, I don´t know him, and in the absence of my own attorney I will maintain myself in silence throughout this session.” It didn´t take long for Walter Tondela, the defense attorney, to walk into the court room.

The Public Ministry exhibited video number 4, in which the voices of the co-defendants Mbanza Hamza and Luaty Beirão supposedly are heard, with images of the backs of some of the participants in the debate. After the video further questioning of Hata took place and later on it was the turn of the defendant Sedrick de Carvalho.

Sedrick mostly answered the mandatory questions about his identity and after that he frankly told the judge: “Your Honor, I will only answer the questions related to facts sanctioned by the criminal code”. Confidently Sedrick cited some of the articles embodied in the criminal code. Later on there was a recess and during the resumption of the session judge Januário Domingos and his assistant Agostinho carried on questioning Sedrick.

For the most part the questions made by the judge were of the kind: “Why have you spoken about ethics referring to some of the people who organized a protest and didn´t show up at the meeting spot?” Sedrick limited himself by answering: “I don’t see any relevance in this question, so I have nothing to declare.”

At last the judge stated that because of the noticeable absences of some of the co-defendants already questioned, such as: Domingos da Cruz, Nito Alves and Nuno Dala, allegedly for health reasons, the court had decided that, from now on only the co-defendants that are scheduled to be heard will be present in the court room. All the other defendants shall remain in their cells.

The defendant Mbanza Hamza asked the attorney to make his concern clear, being: “In case of any of the co-defendants wishing to watch a session could there be an exception to this decision?”

To which the judge answered: “We were quite clear about our decision, no.”

The Judge closed the session indicating that the hearing of Sedrick would continue on the next day, communicating that Fernando António Tomás “Nicola o Radical” will be the next one to be heard.

By our citizen reporter (in Portuguese)

Translation by volunteer Marina Zimmermann
Edited

@CA7311

 

Fizemo-lo mais uma vez, apresentámos queixa contra os comandantes e oficiais da PNA que abusam das nossas liberdades fundamentais e nos levam em passeios indesejados para esquadras fedorentas.

No passado apresentámos queixas-crime contra altos dignatários na Nação, fomos chamados algumas vezes à PGR para repetirmos tudo o que já estava escrito nos documentos e desde então a coisa estancou.

Desta vez, apresentámos queixa pelo tratamento que nos reservaram no dia 4 de Agosto, aquando de uma manifestação espontânea diante do Ministério da Educação em solidariedade com os professores grevistas do SINPROF na província da Huíla.

A queixa foi entregue ao Diretor Nacional da Policia Judiciária e Militar com cópia para a PGR, tal como se pode ver nas imagens abaixo anexadas.

A ladaínha conhecemos: “para quê se darem ao trabalho, já sabem que irá redundar em nada, a justiça é manietada, é como queixar o porco ao javali”. OK! Mas se fossemos por essa ordem de ideias, também deixaríamos de dar o corpo ao manifesto porque sabemos de antemão que vamos apanhar no lombo, eventualmente verter uns litros de sangue, visitar aldeias longínquas em províncias vizinhas (turismo policial), ser “retidos” longas horas e soltos sem justificação, pedido de desculpa ou indemnização, então… que sentido faz mexermos um dedo que seja para a causa que for?

Acreditamos que os processos poderão, numa primeira instância, incutir um efeito dissuasor ou disruptivo entre a cadeia de comando “ordem superior” —-> executor de ordem ilícita e, mais tarde, numa Angola livre, poderão ser retomados para trazer ao banco dos réus esses fósseis que tentam hoje encobrir-se uns aos outros.

 

pgr pgr0001 pgr0002

Revelam moradores da Tchavola em carta de contestação enviada ao PR

 

Tchavola depois das demolições. Foto da Omunga

Tchavola depois das demolições. Foto da Omunga

Definitivamente o povo angolano começa a despertar de uma longa sonolência pós-27 de Maio que anestesiou o espírito reivindicativo. Nesta carta que nos foi entregue pessoalmente por um dos representantes da Comissão de Moradores da Tchavola, pode notar-se o grau de retórica e consciência dos direitos reivindicados, a forma com que foram instigados pelo Primeiro Secretário do MPLA na Huíla, agora governador, Marcelino Tyipingi, a manifestarem-se contra o então Governador Isaac dos Anjos a propósito das demolições discriminatórias às quais foram sujeitos (casa do pobre no chão, casa do vizinho influente intacta!).

Feita a dança das cadeiras, os moradores da Tchavola estão a descobrir amargamente que o Tyipingi lhes deu “do cagueiro” e está a correr com a bola sem dar confiança a ninguém e depois de por diversas vezes lhe solicitarem audiência para confrontá-lo, perceberam que o indivíduo ligou o ignorómetro, tendo passado então a dirigir-se para o topo da cadeia alimentar.

Nas imagens em anexo podem ler essa correspondência enviada ao Presidente JES. A forma com que concluem a sua carta é excelente e passamos a citar: “Terminamos com o pronunciamento do Sr. Governador Provincial da Huila proferido por ocasião da abertura das Festas da Nossa Sra. do Monte, edição 2013 que citamos ” O Senhor Presidente da República tem sabido interpretar os anseios e os interesses do povo angolano de Cabinda ao Cunene … ”
Já que Sr. Presidente da República tem sabido interpretar os anseias e interesses do povo angolano, então aguardamos pela máxima colaboração de Vossa Excelência na resolução das nossas preocupações porquanto foi o Executivo, encabeçado por Vossa Excelência, que consentiu a demolição das nossas moradias sem justa indemnização.”

Tchavola para PR 01   Tchavola para PR 02Tchavola para PR 03Tchavola para PR 04Tchavola para PR 05

Escolhemos colocar apenas a última página das assinaturas por questão de espaço

Escolhemos colocar apenas a última página das assinaturas por questão de espaço

Vídeo registado no dia 1 de Abril de 2014.

Isto não é uma mentira, isto não é uma montagem.

É a vida real de quem é forçado a assistir aos “1 de Abril” diários na TPA ficando com a falsa sensação de constituir uma minoria excluída.

wilganga

O que se temia aconteceu, novamente de forma bárbara, sem o mais elementar respeito pela vida humana. Manuel Hilberto Carvalho “Ganga”, dirigente da ala juvenil do partido CASA-CE, foi abatido a tiro quando colava cartazes com o seu grupo, sábado, quando a manifestação programada ainda não tinha saído à rua. Leram bem: QUANDO COLAVA CARTAZES !

Cassule Kamulingue Panfleto CARTAZ CASA-CE

Os cartazes que a PNA considerou motivo de sobra para o cidadão merecer a morte

Não se sabe ainda quantas mais pessoas foram assassinadas pela polícia em outras cidades e vilas pelo país onde se realizaram manifestações pacíficas, assim como quantas centenas de pessoas estão detidas e desaparecidas. Até este momento, a polícia confirma que deteve 292 pessoas. Lembro que a manifestação de sábado, tinha como objectivo repudiar e protestar pelo assassinato por agentes dos Serviços Secretos (SINSE), dos activistas Kamulingue e Cassule, e exigir que TODOS os culpados fossem julgados, e à qual aderiram outros partidos, além de organizações cívicas.

Um desses partidos, o BD-Bloco Democrático, no seu comunicado de 20.Novembro, referia que a sua decisão de se juntar à manifestação, tem como fim «pretender salvaguardar o processo democrático, a pureza das instituições do Estado de Direito, a solidariedade activa com os familiares directos das vítimas e estancar definitivamente o vício dos assassinatos e perseguições políticas.» Leram bem: ESTANCAR DEFINITIVAMENTE O VÍCIO DE MATAR ! No mesmo comunicado, o BD concluía que «atento ao que se tem passado em manifestações anteriores, adverte que o facto do Presidente da República não estar no país, não retira ao mesmo a responsabilidade dos distúrbios, normalmente provocados pelas forças policiais e suas milícias à civil».

Além disso, vários líderes políticos foram interceptados pela polícia e foi-lhes lançado gás lacrimogéneo, como aconteceu a Samakuva ou Abel Chivukuvuku da CASA-CE e também, entre outros, a David Mendes, antigo presidente da Associação Mãos Livres e líder do Partido Popular que se fundiu com o Bloco Democrático, da oposição extraparlamentar e liderado por Justino Pinto de Andrade.

Mas também activistas cívicos sem nenhuma ligação à política foram perseguidos, como por exemplo o advogado da associação ‘Mãos Livres’, Alberto Zola, que foi interceptado pela polícia, espancado publicamente e levado para uma unidade de polícia. Horas depois de ser solto, voltou a ser interceptado por um polícia que dizia “ter ordens superiores para o deter” e levado para as instalações da Polícia de Intervenção Rápida (PIR) onde, como habitualmente, foi torturado pelos gorilas do regime.

Porém, já se sabe quem foi que executou a sangue frio o jovem Manuel Hilberto Carvalho “Ganga”, que colava cartazes para a manifestação. O crime foi praticado pela Guarda Presidencial de Eduardo dos Santos. Leram bem: GUARDA PRESIDENCIAL Testemunhas revelam também como o seu companheiro “Ganga” foi abatido, desmentindo a versão da polícia. O deputado da CASA-CE, Lionel Gomes, desmentiu os pronunciamentos públicos da Polícia Nacional segundo os quais não deteve nenhum deputado: “A polícia mente muito. Eu estive detido na 9ª Esquadra das 22h00 às 16h17”.

O país acordou em Estado de sitio, este sábado, depois de a Policia através do seu porta-voz Aristófanes dos Santos ter ameaçado impedir qualquer manifestação. Verificou-se também uma acção altamente bélica com helicópteros da Polícia e da Força Aérea no ar, além dos tanques-blindados das FAA e da PIR no solo, com ordens para atirar em tudo o que mexe. Não parece haver dúvidas de que o Governo da ditadura parece que tem saudades da guerra. Tudo isto por causa da anunciada manifestação pacífica ! Hoje percebemos bem o que significavam as ameaças proferidas dias antes pelo MPLA, ao declarar que a manifestação é uma «aventura irresponsável e de consequências imprevisíveis». Aí estão os resultados dessas ameaças, com a invasão a tiros de sedes de partidos, prisões arbitrárias e assassinatos. ESTA É A VELHA MARCA DO REGIME DO MPLA E DE ZÉ KITUMBA DOS SANTOS, há 34 anos consecutivos no poder, um regime protofascista com métodos de terrorismo de Estado, que permanentemente cala a voz do povo com violência.

Para o regime de assassinos chefiado por Zé Kitumba dos Santos, as únicas manifestações autorizadas são aquelas “espontâneas” organizadas pelo MPLA em apoio ao ‘querido líder’, tal como acontece noutros regimes semelhantes. As manifestações organizadas pelos partidos da oposição ou de associações cívicas – cujo direito está consagrado na Constituição angolana -, para reclamar da má governação, protestar contra o roubo, a corrupção e o crime, são na óptica do bárbaro regime para “desestabilizar” e proibidas, “argumento” muito comum entre os antigos e actuais piores ditadores tais como Pinochet no Chile, Ceausescu na Roménia, Thein Sein em Myanmar (antiga Birmânia), Teodoro O. Mbasongo da Guiné Equatorial e muito amigo de Eduardo dos Santos, Sharif Ahmed na Somália, Kim Jong-un da Coreia do Norte e outros.

Uma coisa é certa: este hediondo regime instalado e chefiado por Eduardo dos Santos há 34 anos, deve e tem de ser levado ao Tribunal Penal Internacional, pelos antigos e actuais crimes que tem praticado ao longo dos anos, que inclui o assassinato de mais de 20 jornalistas nas duas últimas décadas.

Por Telmo Vaz Pereira

É o mínimo que podemos dizer depois de ter dado um destaque tão grande ao Carbono e agora, de novo, a priorizar a cobertura à manifestação, ao invés de (como seria de esperar) dedicar a primeira página ao enguiço UNITA/Mfuca, o assunto que mais tem estado na berra essas últimas semanas envolvendo as tradicionais forças políticas.

Não vamos desfazer-nos em elogios porque também já nos habituámos a ver projectos começarem a todo o vapor (nova direcção, novos donos) e depois descarrilarem num instantinho, cedendo à pressão (ou à tentação dos “Cara Grande” ou dos “Euro”) que se exerce sobre todo aquele que tente contrariar a verdade imposta pelo regime caduco de Zéduardo!

Aqui estão as matérias (para além da do Mário Paiva que já aqui postámos) que sairam no Semanário Agora, edição nº 840 de 20 de Setembro:

untitledAGORA Editorial Manif

AGORA Xinguilamento Aristofanesuntitled
AGORA Artigo Manif 02