Pobre de Espírito

Posted: July 17, 2012 in Argumentos, Opinião

Os nossos políticos da poeira não param de nos surpreender. Desta vez, foi o famigerado empresário da juventude, Bento Kangamba, candidato a deputado pelo MPLA, partido situacionista (expressão do Professor Universitário Vicente Pinto de Andrade que adoptámos) a tecer algumas considerações absurdas e, até mesmo, estúpidas. As declarações deste senhor revelam a dimensão filosófica e epistemológica dos políticos do MPLA. Ou seja, grande parte dos dirigentes do MPLA não conseguiram livrar-se dos ideais autoritários do Marxismo-Leninismo. Eles são comunistas travestidos de democratas.

Esta situação é, até certo ponto, compatível com uma que se está a passar no Hemisfério Norte, mais concretamente em Portugal, onde um Ministro que “comprou” a licenciatura está a ser fortemente fustigado pela comunidade académica de Portugal.

Miguel Relvas, Ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares de Portugal

Aqui na banda, os nossos ministros, tanto quanto sabemos, não compram licenciaturas, eles preferem roubar o dinheiro público e elogiar a “sapiência” do PR. Quanto à nossa comunidade académica, ela não reage. Dizem que ela está cheia de Prados. Será que os intelectuais foram comPrados?

Voltando ao centro deste artigo, eis o pensamento:

“As faculdades estão a ser construídas para os jovens estudarem e não para fazerem política, nem criticarem o governo. A política se faz nos comités e nas zonas urbanas onde estão os partidos.”

Tendo analisado estas palavras, ficamos deveras temerosos com o nosso futuro e cremos mesmo que os angolanos estão entregues à bicharada. Este tipo de mensagem subliminar revela muito bem a natureza ditatorial do regime de José Eduardo dos Santos. JES e os seus pupilos querem que os jovens angolanos tenham um papel de meros assistentes da corrupção, da miséria e da péssima distribuição da riqueza. Não estamos preparados para ser meros espectadores. Queremos participar activamente na construção de uma Angola melhor, doa a quem doer.

Estas palavras, que nos causaram tamanha indignação,saíram da “lavra intelectual” deste famoso militante do MPLA. Bento Kangamba, de quem desconhecemos a vida académica, terá recebido a ordem superior de intoxicar os jovens angolanos com maratonas de cucas e pensamentos mesquinhos. Cada país com a sua sina. Igualmente, os antecedentes deste energúmeno são bastantes elucidativos do tipo de pessoa que ele representa. Não nos esqueçamos que este senhor já esteve preso por roubo de latarias na Logística das Forças Armadas Angolanas.

Como jovens, ficámos ofendidos pelo atrevimento deste senhor. Fica implícita a ideia segundo a qual os jovens não devem usar a sua massa cinzenta para dizer o que está errado na nossa governação. Por outras palavras, Bento Kangamba quis dizer aos jovens angolanos para que não falassem de política e que não questionem o rumo que o país está a tomar. É uma maneira de nos dizer: “xé meninos não falem política”. Bom, para todos os efeitos é a sua opinião. Respeitamo-la, mas não aceitamo-la. De resto, consideramo-la tosca. Continuaremos a falar de politica até ao fim dos nossos dias.

Efectivamente, o país precisa de jovens que falem de politica pela simples razão de que a nossa intervenção tem ajudado, contribuído, participado na edificação de uma sociedade mais justa e mais tolerante.

Pensamos que os angolanos estão fartos de uma governação virada para dentro. Queremos e auguramos uma governação responsável, séria e comprometida com a liberdade e bem-estar dos angolanos. Uma governação centrada no potencial criativo dos angolanos.

Bento Kangamba, com esse mísero e inqualificável discurso, demonstra que está à margem de qualquer política ou filosofia virada para o desenvolvimento humano. Perguntamo-nos: como é que esta figura, que é tão básica, tão vulgar, recebe tanta atenção da imprensa pública? Como é possível? Inexplicavelmente, num partido de 5 milhões de militantes, este militante é o mais mediático, depois do “arquitecto”. Na verdade, Bento Kangamba, um dos representantes do novo-riquismo angolano, um dos símbolos das fortunas sem origem, um dos grandes responsáveis do estado de embriaguez da sociedade angolana, um violador assumido da Língua Portuguesa, um dos responsáveis da manutenção deste regime caduco, o provável líder das milícias pró-dos Santos, quer ver os jovens na mais abjecta pobreza intelectual. E, ele recebe uma ajuda “preciosa” das políticas educativas dos seus amigos do Executivo.

No nosso entender, a reforma Educativa é uma fraude. Reparem só algumas situações que a tal reforma provocou: Professores, que nunca tiveram na sua vida académica uma aula de música, são professores de música. Professores, que foram péssimos alunos em Matemática, dão aulas de Matemática. Que tipo de brincadeira é esta? No nível universitário, continuamos na periferia do mundo científico, as nossas universidades nem sequer constam das 100 melhores da África. Exceptuando a Universidade Católica de Angola, tudo o resto fica a ver navios e mais navios.

E, assim então, o país tem rumo?

Pensamos que não.

Enquanto os políticos da índole de BK continuarem a merecer os holofotes da TPA, RNA e outros, dificilmente teremos uma sociedade que ame e valorize a leitura. Olhando as sociedades desenvolvidas e prósperas, a leitura é uma questão cultural. Qualquer sociedade saudável quer que os seus membros gostem, adorem, amem a leitura. E, é da leitura que nasce a reflexão, que nascem as questões, que nasce o debate. Os benefícios da leitura são muitos. Vamos enumerar alguns:

- Desenvolvimento da criatividade, da imaginação.

- Melhoramos a competência comunicativa.

- Enriquecemos o nosso vocabulário.

- Potencializa a nossa capacidade de raciocínio.

- Dá-nos conhecimento e cultura.

- Escrevemos melhor quando lemos mais.

Bento Kangamba quer que nós, jovens angolanos, leiamos? Não me parece. Este senhor, que também é presidente do Clube de Futebol Kabuscorp do Palanca, desconhece a importância que tem o pensamento crítico no desenvolvimento de qualquer sociedade. Sabe ele que o debate é algo normalíssimo numa sociedade dinâmica e que se quer democrática, sabe ele que as críticas melhoram e estimulam positivamente a governação?

Se ele soubesse, talvez teríamos “Maratonas de livros”, “Bebedeiras de literatura”, “Fabricas de livros”,etc.

Não acham curioso que 10 anos de paz não trouxeram mais bibliotecas em Angola, mas sim mais fábricas de cervejas. Não acham curioso que promove-se mais músicos que dizem porcarias do que jovens escritores com talento?

Para concluir, deixamos para reflexão uma frase de Francis Bacon (1561 – 1626), filosofo, ensaísta, politico inglês.

Nada provoca mais danos num Estado do que homens astutos a quererem passar por sábios.”

Comments
  1. António Macedo says:

    A sabedoria é a razão do desenvolvimento humano, este é o plano do regime acabar com a nossa massa cinzenta, não é normal um tipo como Bento Kangamba, que fala mal a língua portuguesa, a média publica presta tanta atenção na quilo que ele fala, o seu discurso não tem coerência, na verdade nem ele sabe o que diz, isso acontece com todos que fazem parte do grupo do Cidadão José Eduardo dos Santos, que a todo custo quero perpetuar no poder. Quantos intelectuais tornaram bajuladores do regime e defende o presidente JES, que nunca foi eleito pelo povo, com unhas e dentes, até agora ele é o causador de todos os mal.

  2. Estou de acordo com o António Macedo, este Bento Kangamba é um analfabeto politico e académico, os dirigente do MPLA estão a matarem a juventude com bebidas e outros tipos
    de drogas, em vez de promoverem concursos de culturas gerais, vendas de livros à preços
    acessíveis, escolas com bibliotecas apetrechadas, professores com qualidades, etc, etc…E
    os ditos intelectuais do partido da situação, creio que são todos idiotas, covardes, cambadas
    de bajuladores, perderam todos à dignidade, sempre a enaltecerem o famigerado padrinho(Chefão) e seu Capanga que mal sabe pronunciar uma palavra em português.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s