Archive for October, 2012

Jose Eduardo dos Santos

5 Reasons why Dos Santos will Continue to Exert Control over Angola Even After he Leaves

Over the course of the past 33 years, Angolan president José Eduardo dos Santos has been able to consolidate his hold on power within the MPLA, to the point where the party has become a hostage of his whims, his will, and his calculated manipulations. Perhaps the greatest example of this was the way dos Santos was able to insert Sonangol’s ex-CEO Manuel Vicente into the number 2 position within the MPLA hierarchy during the country’s latest polls, thus empowering Vicente as Angola’s vice president. Dos Santos went ahead with his plan even faced with vigorous opposition from the party’s senior members. He simply ignored them and imposed his will, going so far as to create a new, custom-made ministerial post for Manuel Vicente as a stepping stone to his imminent vice-presidency. The post was swiftly extinguished after the August elections.

Long term Angola observers will note, however, that dos Santos isn’t simply interested in power for power’s sake. Dos Santos has also presided over the enrichment of one of the most corrupt governments not just in Africa but the world, a government in which the president’s most loyal stalwarts have become fabulously wealthy  in an increasing rate since as far back as the early 1980’s; a government whose military generals directly profited from the country’s armed conflict; a government who has been repeatedly accused of siphoning off billions of dollars from the State coffers while the rest of the country stagnates with social development indicators well below its economic reality, completely at odds with the status as a major oil exporter.

Business executives looking for opportunity in Angola, as well as Angola’s own business community, have noted that the country possesses an extensive and pervasive patronage system that benefits a small and well-connected elite. At the center of this elite are the President and his family. Such an inherently unfair and unjust business climate has several important ramifications in a developing country: it stifles economic competition, exacerbates the gulf between the haves and the have-nots, inhibits social mobility, continues to enrich those who already benefit from a very cozy relationship with the opaque state apparatus, and, most importantly, enables the government’s policy of corruption through enrichment. In a society like Angola’s, there is nothing like a hundred thousand dollars in cash and a car or two to silence discontent and buy consciences.

Dos Santos and his friends are aware of this and have made sure to integrate themselves into the very fabric of Angola’s economy, with stakes in areas that range from oil to media to cement to wholesale distribution of food. Thus, even when Dos Santos finally leaves power, he will continue to exert considerable influence, if not outright control, in key areas of Angola’s economy and society. Below are 5 reasons why:

1) His children control key aspects of Angolan media

Semba Comunicações is responsible for virtually all of the content on TPA2, one of two state television channels. Both are unashamedly and at times fanatically pro-government. TPA2 is also notorious for its less than desirable programming. The country’s only “private” television channel, TV Zimbo, is owned by a holding company headed by dos Santos ally General Kopelipa and…Manuel Vicente, Vice President. This same holding also owns the weekly newspaper O País, which enjoys strong circulation numbers in the capital.

2) His daughter Isabel has a stake in most important sectors of the Angolan and Portuguese economy

Substantial interests in the banking, media, telecommunications, diamonds, oil, energy, hospitality, retail, and finance sectors make Isabel the strongest player in the Angolan economy and an increasingly important and influential investor in the Portuguese economy. In effect, dos Santos can now expand his influence not just in Angola but also in the European Union, by way of Portugal. It will be interesting to see the policial and economic ramifications of Isabel’s involvement in these economies in the years to come.

3) His son Zenu is a board member of Angola’s $5 billion sovereign wealth fund

Angola’s brand new sovereign wealth fund has José Filomeno dos Santos as one of its board members. Despite the assurances of Zenu, as he is commonly known, that he will uphold the rule of law and is clearly aware that he is now a “public servant”, the move is another clear case of nepotism in Angola’s economic affairs and another indication that dos Santos really does not care much for the Angolan people’s position on the matter, nor for the concept of “conflict of interests.” Angolans are counting on the sovereign wealth fund to invest in the country’s infrastructure, among other sectors, but its first investment was a luxurious office complex in London’s Savile Row.

4) His trusted associate Manuel Vicente, with whom Dos Santos shares key business interests, will most likely succeed him as president

Dos Santos, some of his children, and Vicente share many business interests and it is no surprise that he picked the latter to possibly succeed him as president. To Angola watchers who are aware of the country’s intricate business and economic reality (and who read Maka Angola), this could not have been much of a surprise: Manuel Vicente seemed like the perfect choice. For all his perceived managerial acumen, he ensured that Sonangol continued its opaque handling of Angola’s fabulous oil wealth with little financial transparency, is himself involved in an international corruption case involving Cobalt Energy and Nazaki Oil & Gas, which he formed with General Kopelipa,  and demonstrated complete loyalty to dos Santos. It will ensure that politically as well as economically, Angola’s socio-economic and political reality will stay the same, and the patronage system at the base of it all will be safeguarded.

5) He continues to exert complete control over the MPLA, which in turn exerts complete control over all aspects of  society

Ask anyone in MPLA’s powerful Central Committee: what do they think of Manuel Vicente? Dos Santos brazenly handpicked the ex-Sonangol CEO to be his number two on the electoral list to the detriment of several of MPLA’s senior figures, who besides having participated in the fight for independence, also stood by him through Angola’s communist years and now the country’s capitalist reincarnation. That they felt slighted is putting it mildly. But that dos Santos was able to do as he pleased highlights just how much power he has within the MPLA. And by controlling the MPLA, he controls all aspects of Angola’s society: sharp observers of Angola’s latest election will have seen how the Party implanted itself not just in political affairs but also in religion, music, schools, sport, etc. The specter of the Party at the center of daily life remains strong in Angola, and the cult of personality surrounding President dos Santos was very much in evidence throughout the last months and weeks of campaigning.

“33 é muito”, yes, but now we need to figure out how to ensure that after dos Santos leaves, we are able to take back control of our country, as Angolans and for the benefit of all Angolans.

Continuam a chegar-nos evidências para sustentar a história narrada aqui pelo Luaty. Desta vez é um vídeo que um marchante conseguiu registrar do final da agressão a que fomos submetidos. Não se vê muito, mas vê-se o suficiente para se entender que um justiceiro determinou que um restrito grupo de pessoas não era para ali chamado e, vai daí, toca a empurrá-los para fora do perímetro delineado para a concentração. Sabemos agora que esse justiceiro se chama Hamilton de Lemos, tem estado em manifestações anteriores com o fito de comandar milicianos, tendo sido positivamente identificado pelo menos nos dias 3 de Setembro e 3 de Dezembro de 2011. Mais, ficámos a saber que o mesmo estudou na Universidade Gregório Semedo (com fama de cabulão), que tem um cargo de chefia no Comando Provincial da Polícia e que, pasme-se, é sobrinho do Comandante Geral da Polícia Nacional, Sr. Ambrósio de Lemos.

Angolans in London pay tribute to anonymous stowaway countryman

In September of this year a rather peculiar and depressing piece of news made headlines around the world: a man, presumed to be Angolan based on the crumpled Kwanza currency notes in his pockets, was found dead in the streets of London, having dropped from the landing gear of a British Airways flight passing 2000ft overhead. The event received little mention in mainstream Angolan press but one can only imagine what type of desperation (and lack of knowledge about flight conditions in the gear of an airplane) would drive a man to attempt a journey in such conditions.

This Sunday, in London, a group of Angolans are getting together to pay their respects to the anonymous stowaway. Details below:Image

SINFO em acção repressiva e intimidatória

O SINFO retratado no post opinativo do Luaty é nada mais nada menos do que este camarada aqui.  Temos a felicitar enormemente o fotógrafo (que não iremos citar para sua protecção, a menos que ele prescinda dela, o que nos deixaria ainda mais orgulhosos), pelo sentido de oportunismo jornalístico que está praticamente extinto entre os nossos “profissionais” e, sobretudo, pelo sangue-frio evidenciado neste “tiro-frontal”.

No passado dia 1 de Outubro, o desespero de uma família que procurava pelo paradeiro do seu ente querido, teve o desfecho mais temido: o rapaz foi encontrado na morgue e de tal modo foi o nível da brutalidade exercida, que só através da indumentária conseguiram reconhecer o cadáver.

O seu nome era Jorge Valério e tinha apenas 20 cacimbos.

O seu assassinato levantou uma onda de comoção e indignação que se transferiu do facebook para as ondas de rádio e televisão dando-lhe uma amplitude sem precedentes.

No calor do momento, na vontade de ir um pouco mais além do que lamentar mais uma tragédia, um grupo de jovens decidiu convocar uma marcha para pedir o fim da violência que devasta o nosso país.

Poucos poderão negar que a dimensão gargantuesca que este nefasto acontecimento ganhou se deve sobretudo a uma conjugação de dois factores: o nível de maldade torcida na barbárie empregue e o facto de tanto a vítima como os seus algozes pertencerem à fina-flor da elite angolana (ou a famílias com ligações íntimas à nobreza). Há ainda um aspecto a assinalar como relevante que é a idade de todos estes meninos que ainda não atingiram a maioridade e já carregam em si tanto ódio, tanta fúria, tanta violência.

Independentemente desses factores, violência é violência e nós consideramos não haver vida mais valiosa que a outra, não tem um “medidómetro”, nem concursos para estabelecer quem sofre mais quando, contra-natura, tem de enterrar um filho. Por isso, alguns de nós decidiram fazer-se presentes nessa marcha.

Ao chegarmos porém, recebemos uma chamada do Alex dando conta da detenção de 5 jovens, dizia ele que seria por se terem aparecido com t-shirts “32 é muito”. O Mbanza proferiu e nós anuímos: “é preciso saber fazer leitura dos momentos, agir menos por emoção!”.

Certo, aquele não era o local, nem o momento para misturar assuntos, sobretudo por respeito à organização que sublinhou várias vezes que seria uma marcha com pinças, pegando em tudo muito delicadamente para evitar ferir susceptibilidades.

Foi por isso, concordámos, uma má leitura do momento por parte do(s) mano(s) que assim decidiu vestir-se. Mas daí também a serem elementos à civil a esbofetearem-nos e dar ordens a polícia para extraí-los do local já vai um salto que não podemos jamais tolerar, é contra o espírito da lei pela qual primámos e pela qual eles juraram zelar.

Por isso, ao chegar, a primeira coisa que fizémos foi dirigir-nos à roulote da PN estacionada no Porto para a ocasião e pedir informações:

-        O que fizeram?

-        Porque estão a ser levados?

-        Para onde os levam?

As respostas foram vagas, passando a impressão que não teria havido de facto razões legais que justificassem medidas tão draconianas. “Para o piquete do Comando da Divisão” foi a resposta que conseguiram dar para a questão “para onde os levam?”.

Já habituados a essas andanças e sabendo-os com a PN, resolvemos primeiro cumprir com a missão que nos levou ali, sem suspeitar que também nós seríamos alvo de uma tentativa de agressão, à frente de tanta gente influente na sociedade angolana.

O nosso delito foi distribuir listas nominais de vítimas de violência em Angola que a nossa equipa do facebook conseguiu reunir com ajuda de outros internautas. A lista tinha intenção de homenagear simbolicamente as vítimas de violência lá citadas, pois, apesar da marcha ter sido despoletada pelo assassinato do Tucho, ela era abrangente a todo o tipo e forma de violência que grassa a nossa sociedade, castrando-a nos seus passos rumo ao desenvolvimento. A lista pode ser consultada aqui.

Em menos de 5 minutos um grupo de 5 indivíduos com ares de poucos amigos aproximaram-se de nós de forma ostensiva, rodeando-nos. O seu líder, era o único que trajava uma camisola com cor diferente à da pedida pelos organizadores para a marcha. Todos os outros elementos vinham “disfarçados” de manifestantes. Ele posicionou-se a menos de um metro de nós fitando-nos com uma cara de quem estava mortinho para estar a sós connosco numa ilha deserta.

Perguntei-lhe o que desejava e porquê que se colocavam dispostos daquela maneira em nosso redor. Silêncio e tromba feia!

Dava para ver o volume por baixo da sua camisola, ele colocou a arma ali de propósito, para nos mostrar que caso as coisas não corressem como ele desejava, teria recurso fácil!

Depois de 30 segundos, subiu para o degrau do passeio onde nos encontrávamos e passou a fazer parte do nosso circulo de discussão.

Mais uma vez o abordei dizendo: “Diga de uma vez o que quer de nós e retire-se porque a sua presença aqui não é bem-vinda!”.

Nisso, ele pegou numa cartolina enrolada que nos tinha sido oferecida por um par de moças com quem caminhámos lado-à-lado, do local onde ficou estacionado o carro até ao porto. A cartolina estava no colo do Adão Ramos e ele puxou-a, perguntando-lhe “Queres reagir?”. Aí se percebe o nível de raiva cega que movia aquele indivíduo, pois o Adão Ramos, mesmo que quisesse muito, mesmo que fosse o mais ardente desejo queimando a sua nobre e justa alma, não poderia reagir, pois, vítima da eterna pólio que não se consegue “chutar para fora de Angola”, está desde os seus 5 anos preso à uma cadeira de rodas!

Ao desenrolar a cartolina, encontrou lá mensagens de paz e de amor, tão convictas e sinceras que até coraçõezinhos à volta tinham desenhadas. Sensibilidade feminina, sabem né?

Mas nem isso o demoveu, antes pelo contrário. Tornou-se possuído por algum espírito maligno e num gesto Hulkiano, puxando os braços em direcções opostas, rasgou ao meio tão inofensivo e singelo cartaz que pedia justamente o oposto do que ele nos estava ali a dar. Fazendo-o ele não parou de me fitar, e agora dizia-me “estou-te a provocar, não vais reagir?”. “Não vou dar-te esse gostinho, isso é o que tu queres”. Peguei no Adão Ramos e começámos a andar em direcção oposta à daqueles energúmenos. Mas eles seguiram-nos e o animal atirou-me à cara o resto do cartaz, com o qual tinha estado a preparar uma bola, insistindo para que eu reagisse, agora num tom mais vigoroso.

Vendo que não funcionava acabou por perder as estribeiras e determinar vociferando: “Vocês estão excluídos desta marcha, vão embora, VÃO EMBORA!!!”, enquanto nos empurrava para longe da multidão, que assistia impávida, certamente chocada, ao episódio que anulava o sentido da sua presença ali.

O Adolfo começou a puxar para o lado contrário gritando com todos os seus pulmões: NÃO A VIOLÊNCIA!!! E aí, depois de já estar o putedo instalado, finalmente a organização acorreu em peso, pedindo ao animal por misericórdia e a nós para nos acalmarmos. Mas nós estivémos SEMPRE calmos, o que havia ali para nós nos acalmarmos?

Daí tiveram de decidir o que fazer connosco, o que não foi fácil pois alguns dos organizadores manifestaram claramente e sem margens para desvios de interpretação, que se sentiam incomodados com a nossa presença. Isto o Adão Ramos ouviu e por isso resolveu retirar-se do local, apanhando o táxi para o seu distante Panguila, de onde saíu exclusivamente para participar nessa actividade, onde afinal não era bem-vindo (por alguns).

As instruções foram contraditórias e tinha no meio agitadores (SINFO) que também queriam mandar bitaites e dar ordens, propositadamente para criar confusão e fazer-nos parecer como as maçãs podres da cesta. O irmão do Tucho, de coração dilacerado veio suplicar-nos que respeitássemos a solenidade do evento, ao que nós respondemos que só estávamos a fazer o que nos tinham pedido que era: ficar ali especados à espera; não, encostem-se à parede; não, vão lá para trás; não, voltem para frente para andarem connosco. Isso criou ali um salamaleque de todo o tamanho e o resultado almejado pelo SINFO foi parcialmente conseguido. No fim a decisão da organização foi a de proteger-nos colocando-nos à frente, marchando com eles (o que, vamos convir, é corajoso da parte deles pois mostra que não têm receio de serem – mal – conotados, ao serem vistos connosco), mas estavam visivelmente abalados pela sua “paz” ter sido atrapalhada com aquela indigesta situação: violência numa manifestação cujo lema é “não à violência”.

Felizmente a marcha lá arrancou sem mais incidentes a deplorar, ficando-se por perceber bem como o Pe. Apolónio Garcia foi lá parar, se alguém o chamou, se foi enviado, se foi de livre e espontânea, a verdade é que assumiu o seu protagonismo fazendo um discurso antes do arranque e marchando sempre à cabeça da multidão.

A primeira meia-hora da marcha foi muito incómoda porque caminhou-se pelo passeio, cheio de jardins, pontes e obstáculos diversos que o tornam impróprio para caminhada de multidões. As pessoas começaram a entoar canções que pediam para ir para a estrada e a dada altura uma fracção dividiu-se e tomou a iniciativa, para pânico dos organizadores que, de uma maneira muito rápida e diplomática conseguiram fazer recuar a multidão determinada.

Parou-se muito, demais! Acharam que estaríamos a andar depressa demais e queriam esperar o escuro para as velas fazerem sentido. Será que era isso? Sei é que essa parte foi muito chata.

O que não conseguiram travar foi a espontaneidade dos slogans pois, após meia hora de “Basta a violência”, as pessoas nas filas de trás (que cresceram num ápice, diga-se) começaram a criar os seus, que iam mais de encontro com a vontade da multidão sequiosa por justiça.

Acabou também por se “tomar de assalto a estrada” numa parte em que o jardim bloqueava completamente o caminho pelo passeio e, aí sim, começou a marcha! A euforia tomou conta de todos, os slogans jorravam e até alguns dos organizadores menos “visíveis” os entoavam de caxexe.

Fiquei com a ideia que os organizadores não queriam dar motivos para as autoridades perderem a confiança neles e, por isso, esforçavam-se de tempos em tempos para que voltássemos aos singelos: VIOLÊNCIA NÃO, TODOS UNIDOS CONTRA A VIOLÊNCIA e PASSOU UM AVIÃO, NA ASA TAVA ESCRITO VIOLÊNCIA NÃO, mas o povo adensou-se demais e fartou-se do politicamente correcto. Da mesma maneira que os putos pegam mais rapidamente um “tchuna baby” e um “kambwá” do que uma pedante música de elevador, o povo é quem mais ordena e ouviram-se cânticos pedindo justiça e evocando nomes de outras vítimas.

Os manos mais inspirados do movimento, aproveitando a emoção instalada criaram slogans que recuperavam melodias conhecidas, e fizeram as moças da frente pedirem bis. Os que me lembro assim de repente eram: “(inserir nome aqui) Tá nus duê mêmu, tá nus duê memu bem malê (inserir nome seguinte aqui)” e “Justiça? Em Angola é difícil”.

Não faltaram os nossos coros: EU SOU KASSULE, EU SOU KAMULINGUE, que também acabaram por contagiar aqueles que estavam mais próximos de nós e apanharam boleia.

Chegados à casa do desportista, com a sensação de missão cumprida, reagrupámos e voltámos para trás, pois tínhamos agora de ir reclamar a soltura dos nossos irmãos, que não mereceram sequer uma referência no discurso final, o que eu pessoalmente considero um tratamento diferenciado, que não fica de bom tom numa iniciativa que visa promover a união.

Ao chegarmos à esquadra em frente a Lello, recebemos um telefonema do Hugo Kalumbo dizendo que os manos já se encontravam em liberdade e respirámos de alívio pois iríamos todos dormir em casa. Tinham ido parar ao Hoji-ya-henda! A próxima vez que me disserem “no piquete do comando da divisão” ao menos já saberei aonde me dirigir! Palhaços!

Houve coisas assinaláveis à nível da organização que acabaram por fazer parecer que estávamos num evento desportivo com transmissão em direto e rendimentos por direitos televisivos, estilo, a Tour de France em bicicleta: um grupo de escuteiros mirins ladeou a marcha, impondo os limites desta por intermédio de cordas, ou dando as mãos, mostrando, apesar da sua pequena idade, um raro nível de disciplina e organização; houve acompanhamento de pick-ups com embalagens de água que foram sendo distribuídas ao longo de TODA a marcha e, inclusivé, equipas de patinadores que faziam um vai-vem, para ir buscá-las ao carro, trazendo-as para os marchantes que se tornavam sedentos depois de tanto gritar; também houve uma cena-para-fotografia, de largada de balões brancos simbolizando a paz;  não se descuraram os copos de plástico para proteger as velas que, apagar-se-iam com facilidade com o vento nocturno; o palanque montado para o discurso não sei se foi aproveitado já do local ou se também foi adornado por eles. O que dizer? Em termos estéticos, nota 10.

Mas se calhar toda essa preocupação, acrescida da de não pisar nos calos de ninguém, não enfurecer as autoridades e não comprometer os papás de quem não quereriam ouvir mais do que um “estou orgulhoso de ti” (depois de já terem certamente ouvido vários “não te metas nisso”), fez com que descurassem a coerência com o tema que ali nos levou, controlando demais a magia da espontaneidade da junção das massas e fingindo que nada de errado se passou que tivesse deixado uma mácula que fosse no seu dia.

Ainda assim prefiro focar-me no que é bom e, sinceramente, foi fantástico ver finalmente a burguesia a aparecer em actos de massa que não sejam as festas de fim-de-ano do Miami. Mesmo que para muitos tenha sido uma experiência que queriam ter pelo menos uma vez na vida, para juntar à lista de desportos radicais, viagens para lugares exóticos, malabarismos sexuais, concertos, drogas, arte em todas as suas vertentes e marcas de bebidas alcoólicas já experimentadas, mesmo assim, foi bonito.

Para aqueles que não apareceram porque a elite convocou, sinceramente lamento a vossa escolha, pois somos nós que insistimos sempre que a elite tem que se envolver, mas agora que o fazem, decidem que “essa é deles”, “eles também não vêm as nossas”, “na hora que raptaram o kassule e kamulingue, que bateram zungueiras, que nos maltrataram, que outros tantos morreram de forma igualmente cruel, ninguém convocou marcha”?

Ouvi ainda coisas que me fazem sentir que todo o esforço é inglório. Do género: “não sou racista, mas vi na televisão e aquilo era só mulatada”. Se isso não é racista, mandemos vir o Hitler de volta! Afinal eu sou o quê? “O bom mulato”? Eu emano dessa mesma elite que sábado, por fim, se fez as ruas. Se o simples facto de ser da elite ou de ter uma tez mais clara é suficiente para fazer com que as pessoas franzam o sobrolho e torçam o nariz, lamento profundamente, mas tenho de o dizer: isso é complexo de inferioridade e precisa de ser sanado urgentemente!

Vamos pôr a mesquinhice de lado e aproveitar as poucas hipóteses de convivência para reiterarmos que não somos nada daquilo que querem pintar de nós, que partilhamos da mesma dor, da mesma angústia, do mesmo desespero quando ficamos irremediavelmente privados da companhia de alguém que amamos. Vamos mostrar que somos coerentes com o nosso discurso de solidariedade, de paz e reconciliação, mesmo que não recebamos em igual medida, pois é isso que nos diferencia do resto. Senão estamos a ser iguaizinhos aos que criticamos.

Aos jovens da organização, meninas e meninos, tão jovenzinhos ainda, parabéns pela vossa audácia e espero que tenha nascido em vocês algo duradoiro, que não tenha sido um deslumbre a não repetir, uma “experiência” diferente e única para contar um dia aos netos, que se aproximem dos que TODOS OS DIAS sofrem as agruras da má governação dos vossos (nossos) pais e que, contra todas as adversidades, se coloquem do lado da verdade e da justiça. Mas se assim não for, parabéns a mesma.

Lembrem-se: é suposto haver um pouco de descontrole, é suposto exercer-se a liberdade de gritar e extravasar o que vai no peito e na alma e é suposto alguém sentir-se pressionado, visado, ofendido. É NORMAL!

Um forte abraço a todas as famílias angolanas que já perderam alguém querido para a violência.

Luaty Beirão

Esse jornal da bófia dá muita graça e as pessoas que não têm vergonha de “analisá-lo”, acrescentando a sua voz de forma a subscrever as barbaridades que por ali se “noticiam”, fazem-nos dobrar de tanto rir. O jornal em análise saíu no dia 22 de Setembro, dois dias depois da vigília para a não tomada de posse dos partidos da oposição.

Escutem as bacoradas deste Aurélio:

- Ele já está a gabar a tomada de posse (por supostamente terem uma informação “privilegiada” que na mesma irá haver um espetáculo pirotécnico), desvalorizando as acusações de fraude como “fabricação” e sublinhando que o TC considerou as eleições como “justas, transparentes e…. UNIVERSAIS”!?!?!

- Caíu o “mistério” sobre o local escolhido (um túmulo) e estarão presentes “CHEFES DE ESTADO” (ddduuuurrrrggghh).

- “Este é o dado mais efervescente”

- O mano Luaty afinal é o nosso líder e ele desencaminhou outras mentes fracas que entorpeceu com estupefacientes, para o seguirem na sua cruzada sem objectivos: “… contrariamente a outros jovens que sabem agir na indiferença, este grupo de meninos, sem qualquer noção de Estado, continua a percorrer objectivamente finalidades encomendadas, talvez com o intuito de trazer para Angola a instabilidade que tanto nos custou banir do nosso quotidiano”. Realmente os outros jovens “agem” na indiferença. Nós simplesmente agimos, a indiferença fica para eles, não precisamos, obrigado! É só rir com este totó!

- A melhor: “esses meninos agem mais com a cabeça do que com o coração”. AHAHAHAHAHA, fala a sério Einstein!?!

- O Club-k “é o maior causador de intrigas… publica notícias encomendadas…. caluniosas… e isso vê-se logo por causa da grafia brasileira e portuguesa”. Boa José Gama, publicidade gratuita na Rádio Ecclésia.  Mais que isso é já ser ambicioso :)

É só inflamação. A rádio ecclésia dando credibilidade a esse lixo, cedendo-lhes TANTO tempo para lerem os seus destaques, está na verdade, apenas e só a manchar a sua reputação que já viu dias mais risonhos.
Aperte no “play” para ser levado para o nosso mixcloud e ouvir este biju do jornalismo angolano:

Esta lista foi ontem distribuída pelas pessoas que tomaram parte na Marcha Contra a Violência e algumas pessoas (entre as quais destacamos o SINFO) interpretaram como sendo “fazer política” e incitar à violência, propósito contrário ao que nos levava lá.

 

VÍTIMAS DA VIOLÊNCIA EM ANGOLA

 

Cherokee – Lavador de carro assassinado pela UGP

Kassule e Kamulingue – Raptados e Desaparecidos

Nha Lisandra – assassinada pelo namorado

Chinangwe Chiwale – 82 anos. Assassinada por assaltantes

Tânia Burity – Espancada por Fredy Costa e Yola Araújo

Rui Miguel – 22 anos. Morto por Bala Perdida.

Mfulupinga Landu Victor – Professor universitário e político assassinado

Euridice “Dodó” – Assassinada à queima roupa à porta da sua residência, com disparos de um carro em movimento.

Mingota Francisco de Sousa – Morreu à porta da TPA depois de lhe ter sido negada assistência no Hospital

Lopo Loureiro – Assassinado pela esposa Nerika

Kalunga – Professor Assassinado no Moxico

Fernando Marcelino; José Maria dos Santos; José Manuel; Maurício Cristóvão; Elpídio Inácio; Artur Gilela; Ricardo de Mello; António Casimiro; Simão Roberto; Stanislas Ocloo; Alberto Chakussanga  –  Jornalistas MORTOS!

António Cascais – Jornalista agredido depois de cobrir uma manifestação

Nelson Sul D’Angola e Israel Samalata – jornalistas agredidos a mando de Faustino Muteka

Jaqueline Tupuepo – Professora esfaqueada e esquartejada pelo namorado Cláudio na Huíla

Kimbita Afonso – Assassinada no Sambizanga

Raimundo João Paulo – Ardina espancado por desconhecidos

Celestino Henriques – espancado por Cláudio dos Santos

Nelson Maravilhoso – Baleado na perna por Hélder Piedade dos Santos

Ibrahina Lima – Agredida por Hélder Piedade dos Santos

Adalgisa Gureth – Estudante do ISPRA assassinada pelo ex-namorado.

Pedro Nguli – Assassinado por Zang Yan em Benguela

Helena – Assassinada à porta de casa por marginais

Alberto Chissuco – Namibense torturado pela polícia, ficando cego do olho esquerdo (mutilado)

Rosa Camunu José – Namibense vítima de assédio sexual por parte do Juíz António Visandule

António Manuel “Jojó” – Radialista/humorista esfaqueado

Aguinaldo Simões, Fernando Manuel, Elias Pedro, Johnson Van-Dúnem, Ismael da Silva, Eretson Francisco, Paulo Neto e André Marques – Vítimas mortais do Massacre na Frescura

Hélio Simões – Sobrevivente do Massacre na Frescura

Toni Kpy Jaime – Assaltado mais de 9 vezes e ameaçado com armas de fogo e cacos de garrafa

Danilson Lourenço – Baleado por nenhuma razão aparente, ficando com braço defeituoso.

Marilda Lopes Cupa e Eulália Jambela – vítimas mortais da recusa de assistência médica em hospitais públicos

António Manuel Gouveia – Assaltado à mão armada na sua residência

Ermelinda Freitas – Assaltada à mão armada na sua residência

Domingos Manuel – Assassinado à tiro atrás de uma igreja no Uíge

Enrick – Assassinado à tiro em Luanda

Filomeno Vieira Lopes – Espancado barbaramente à margem de uma manifestação em Março de 2012 em Luanda. A mobilidade de um dos seus braços/mãos ficou definitivamente defeituosa.

Zaqueu Capapinha – filho de Job Capapinha, assassinado por cunhado

Lúcia – enforcada pelo padrinho que a engravidou e não quis assumir, no Sambizanga.

Januário Armindo Sikaleta – assassinado à porta de casa por desconhecidos, no Bocoio, Benguela.

Menezes Ekumbi e Alda Catata – marido e mulher à 19 de Novembro de 2010, assassinados em sua residência, em Luvemba, no Bailundo.

Inácia Ginga – 27 anos, morta na via pública na Comuna Ussoke, no Luindimbale.

Zezão – Futebolista do Santos FC esfaqueado na barriga na sequência de uma rixa.

Gerson – Guarda-redes do Progresso do Sambizanga esfaqueado em assalto.

André Zumbi – Espancado pelo Soba do Kota, Malange.

Félix Sapalo – Incendiaram sua residência em Longuimale

Porfírio Cândido – Raptado no Alto Hama, Huambo

Henrique Abel – Baleado no Kwanza Norte

Isaac Soma – Assassinado no Bocoio

Humberto Malengue António – Filho de Sapalo António, assassinado

Beatriz Nambili – Baleada no Bailundo, Huambo

Margarida Natoyo – Braço partido pelo Soba Chikelu e Domingos Kamalanga

Inácio Quintas – Espancado na Ganda, Benguela

João Baptista – Espancado no Chongóroi, Benguela

António Vasco – Baleado por um jovem de gang de seu nome “Rebenta”.

Domingos Januário e irmã – Assassinados com 7 tiros cada um, em Luanda.

Júlio Kussema – Assassinado no Lobito no seu estabelecimento comercial.

Marcelino Pataca e Luciano Moma – Sequestrados à 16 de Dezembro de 2010 na Aldeia Etalangala, Comuna do Bimbi, no Bailundo. Terão sido depois assassinados.

Paulina Chinossole – Assassinada em Mundundu, Ukuma, Huambo.

Luciano Matos Kalepepe – Assassinado no Município do Cachiungo à 25 de Dezembro de 2010.

Enoque Tomás - Assassinado a 6 de Dezembro de 2010, da Comuna de Chinhama, em Cachiungo, Huambo.

Maya Cool - Agredido por Henrique Miguel “Riquinho” por cobrar deste o que lhe era devido.

Anónimo - Morto pelas condições atmosféricas agrestes quando tentava evadir-se no trem de aterragem de um vôo Luanda-Londres.

Anónima - Menor de 15 anos violada por 2 rapazes, atirada do 7º andar. Sobreviveu!

Dezenas de manifestantes raptados, espancados, suas casas arrombadas e bens destruídos, privados dos seus direitos e das suas liberdades fundamentais, pela polícia, milicianos e o anónimo “Ordem Superior”

Milhares de anónimos que morrem diariamente nos bancos dos hospitais por falta de luz, de medicamentos, de amor ao próximo, fazendo de Angola um dos países com esperança de vida mais baixa e maior mortalidade infantil no mundo.

 

PAZ, LUZ, JUSTIÇA

No calor do momento, há pessoas que agem/falam irreflectidamente, revelando interpretações sofríveis e ideias aleijadas.

Dois comentários chamaram a nossa atenção e foram realçados pelo jovem Pedro Starr (nome de facebook), sendo um deles do proeminente (?) Kid MC e outro de um indivíduo que aparentemente se chama Leandro.

Se o do Kid MC fica-se pelo “infeliz”, o do Leandro revela problemas psíquicos graves, de entristecer progenitores ou de internamento clínico urgente, juntamente com os seus amigos que conseguiram meter “like”.

Seguem:

A violência ceifou mais uma vida,  o jovem de 20 anos Jorge Valério Coelho da Cruz, também tratado por Tucho, ou ainda Jay Jay no rap.

O que mormente se atribui aos derivados das carências sociais por que passam a maior parte dos criminosos, teve, desta vez, uma origem bem diferente: um grupo de “meninos de coro”, a quem nunca faltou uma refeição, uma roupa de marca, um iphone, férias glamorosas nas cidades mais luxuosas do mundo, provavelmente aborrecidos com tanta abundância e CERTAMENTE iludidos com a sensação de intocáveis que lhes confere o seu estatuto social (filho deste, neto daqueloutro), resolveram emular a Cidade de Deus, o Padrinho, o 50 Cent e essas novas influências pubesceras em que se glorifica tudo o que há de negativo no mundo,  transportando para a vida real o que devia ficar nas telas do mundo virtual.

Como podem crianças de 16, 17, 20 anos carregar dentro de si tanta violência, tanto ódio, ao ponto de não darem conta de quando a brincadeira passa das marcas e passa a ser gravemente criminosa? Mesmo que não se tenha uma plena noção das implicações criminosas, raptar (ok, demos um susto), espancar (ok, demos uma lição), imolar (ok??????), arrancar o olho (ok????), não caíram em si?

A história que lemos no club-k é absolutamente inenarrável, de uma brutalidade sem precedentes e não é de todo surpreendente que este homicídio abominável esteja a repercutir tal qual ondas sísmicas por toda a sociedade angolana.

Há vozes que se levantam para criticar esta solidariedade para com alguém que não conhecemos, que não sabemos se era bom, se era justo, se merecia a nossa pena, dando a entender que toda esta solidariedade se prende unicamente com o facto de ser alguém “da elite”. Perguntam-se onde estão essas vozes quando os anónimos cidadãos morrem diariamente de causas absurdas por não serem atendidos nos hospitais, de fome, de malária, de “febre dos dois dias”, enfim, POR NADA. Alguém que explique a esses cidadãos que na dor e no luto não deve vigorar jamais a filosofia do olho-por-olho (se não lamentas o meu, não quero saber do teu), que a natureza do crime e o facto dele ter sido tornado amplamente público (ao contrário do que se passa com os nossos irmãos Kassule e Kamulingue), ALIADOS ao factor evocado de proximidade com o círculo no poder, fez com que esta morte em particular conseguisse unir pela primeira vez os angolanos num sentimento de indignação generalizada, de fúria colectiva e que, mesmo que essa fúria se justifique todos os dias, é mesquinho descartá-la por só agora estar a aparecer.

Não há palavras que possamos endereçar à família enlutada que possam ser fiéis ao que sentimos, é simplesmente devastador e contra-natura um pai ir a enterrar um filho cuja presença, alegria de viver lhe foi simplesmente usurpada por um bando de rebeldes sem causa.

Descansa em paz jovem irmão Tucho!