Entre a Miséria e a Misericórdia

Posted: October 10, 2013 in Argumentos, Diáspora, Opinião

Os limites do patriotismo construídos pela oportunidade

“Entre a miséria e a misericórdia”

 Mario Lunga

Acredito que  a razão que me impele a interagir  com o leitor  por  essa  via e sobre tal  tema, seja  a mesma  que vários outros milhões de angolanos distribuídos entre Angola e a diáspora são também possuídos, ou qualquer ser vivo, desde que imbuído por algum senso de humanidade e respeito pela vida.

Possuídos  por  incomensurável fadiga e repulsa, ódio e vergonha, sensações a nós impostas  pelo desgoverno exercido no país, caracterizado por uma atípica  e monstruosa legalidade ditatorial, própria da disciplina, ética e moral  militar que o país  respira, também pelo o assassinato  da  isonomia política e popular e, que partindo da sua própria fé, dos seus mitos, da sua estória, televisão e demais  mídias, o partido/Governo denominado  MPLA (Movimento Popular de Libertação de Angola), dirigido por Eduardo dos  Santos, um dos maiores ditadores e comerciantes do mundo, quem concentra a riqueza do país à microscópica camada da população angolana, não se permitindo conviver  nas diversidade e adversidade humanas, criminaliza e condena a opinião e a consciência do outro, anulando qualquer  possibilidade  de o indivíduo exercitar o seu  intelecto em liberdade de direito. É assim, que costumeiramente em Angola, a meritocracia bem como  a comprovação da competência profissional  a nível  das forças militares e polícias ou das superstruturas,  dá-se pela excelência operacional  na excussão  de pessoas, protagonizadas por  experientes criminosos, afim de satisfazer os instintos selvagens daqueles que os ordenam, denominados nos vícios jornalísticos e populares como líderes.

O paradoxo “Liberdade” em Angola  (e desconheço em que campo semântico se  entende a palavra pelos maus gestores angolanos), tem a cada  instante  estendido a linha que demarca os limites  entre a “miséria e a misericórdia” estabelecidos aos homens e mulheres  dessa terra, sendo os  miseráveis os esquecidos da terra e os que pensam por conta própria  e, os dignos de  misericórdia, os mudos, os inconscientes ou esquecidos na terra  e os cordatos.

Os recentes desaparecimentos físicos dos activistas Cassule e Kamulingue é só um dos vários exemplos “mortos” dos que não  mereceram misericórdia nesse país e, aqueles que um dia foram aconselhados a se cultivarem por  via do conhecimento, com a proposta de serem o futuro da Nação, hoje  no futuro, por  usufruírem da liberdade humana e constitucional, são reconhecidos como frustrados, viraram  alvos e presas dos próprios aconselhadores e moralistas,  sendo barbaramente  impedidos  de viver, pelo  que não nos trai a consciência, se entendermos  que até a presença desse governo, o futuro em Angola será vermelho para os libertários  e  verde  para aqueles proselitistas,  fanáticos  pelos seus interesses  e por  eles mesmos,  os que foram educados a não se preocuparem com o país  nem com o próximo, por isso humilham-se e subordinam-se voluntariamente aos estrangeiros,  os criados do status social, sem consciência histórica  nem  consideração pelo seu povo , os que priorizarem os medos, os objectos  e a tecnologia  em lugar da  autonomia do país  e a LIBERDADE do angolano.

Os que possuírem o espírito de rebanho, como chamou o pensador  alemão  Nietzsche  em  “Para  além do bom e do mau” ao  alertar o filósofo para  não servir  jamais o Estado. Que a terra  vos seja  levíssima irmãos,  fomos todos enganados pela perfeita  inocência  de criança , razão pela qual a luta seguirá avante sobe pena de  com a mesma habilidade, enganarem os nossos  mais novos tal como continuam a  fazer.

Continuaremos  gritando  para os quatro cantos, para quando a Paz em Angola? Para quando o fim dessa guerra silenciosa  e clandestina   aos olhares  fáceis e precificados? Tal como  continuaremos buscando a liberdade plena sequestrada nessa terra.

Sendo pouco das coisas que acredito na cena da vida, acredito que Frantz Fanon  em o seu  OS CONDENADOS DA TERRA, ao se  referir  ao continente negro, jamais conseguiria imaginar que em Angola os condenados são os que pensam com as próprias cabeças e não os que importam cabeças para pensarem  por  eles ou  os delinquentes e psicopatas corporativos, os maníacos  da corte, o executivo executor de vidas humanas ,  verdadeiros  mercenários que usam a corrupção, a inconstitucionalidade, a intimidação, a violência, o sangue e a vida dos opositores, como água e oxigénio para sobreviverem politicamente. Eis que o presente governo é a representação sublime e omnisciente da cultura e a instituição da força e não da capacidade e responsabilidade social e humana.

Do lado de Lá, os diaspóricos vivem a “liberdade” em países alheios, onde lhes é permitido pensar, interrogar e contrariar os regimes alheios como alheios ou emprestados que são nesses países e, vivem uma liberdade emprestada, mesmo as vezes na ilegalidade.

Não obstante nessas diásporas, temem ser eles mesmos, portanto não se permitem senão em espaços domésticos ou semi-abertos onde se degusta o debate ideológico em tons românticos e eufémicos, interrogar e ou contrariar os homens  e agora mulheres  da sua terra, por  tão distante que estejam.

Daí o tema de um trabalho apresentado por mim e outros estudantes africanos  na semana  XIV  D’África  em Salvador  da Bahia, quando se comemorava o dia da consciência negra: OS LIMITES DO PATRIOSTISMO CONSTRUÍDOS  PELA  OPORTUNIDADE  que, me foi sugerido pelo exímio historiador brasileiro Jaime Sodré, é agora transformado no presente artigo.

Os limites do patriotismo construídos pela oportunidade, ou até que ponto nos afirmaremos como patriotas, se ou quando encontrarmos as melhores oportunidades humanas, profissionais, de amor e respeito, fora  da  nossa pátria,  e se a  semiótica  política   apresentada  no  hino e  na bandeira  nacional  são os signos ou  valores mais importantes  para o angolano, em relação  ao valor  humano  do cidadão na sua própria terra; ou  ainda  como  me questionou o mestre Sodré….Antes de qualquer coisa, Para quê que serve o patriotismo?

Segundo me parece o “afrocidentalismo” incorporado  pelos africanos  residentes na Europa e outros na América, não os motiva voltar a conviver com seus  conterrâneos opressores, vangloriam-se com os luxos glaciais, o que lhes habituou chamar os seus países com nomes obscenos e não os homens que gerem seus  países, nem mesmo no caso de Angola, cujos anúncios político-publicitários  à  respeito do crescimento económico, não param de desfilar nas mídias internacionais, em detrimento  do crescimento proporcional e geométrico do genocídio ou da carnificina, ensuma  da ditadura governamental e militar com a qual o angolano convive no dia-a-dia.

Não obstante a bem executada política de internacionalização praticada por esse governo, com o intuito de desincentivar o retorno dos intelectuais angolanos,  com sua praxis fratricida, os latrocínios legais e abafados pelas mídias e tribunais,  a anulação  da liberdade  de  expressão e de imprensa, para  além  da  regular  falta de água, energia e saneamento básico há mais de 30 e tantos anos, tem se visto em Angola uma força  incomum de um povo amordaçado historicamente, o que Etienne de La Boetie explicaria o porquê como entendeu e tratou por Servidão voluntária.

“É verdade que no início serve-se obrigado e vencido pela força; mas os que vêm depois servem sem pesar e fazem de bom grado o que seus antecessores haviam feito por imposição. Desse modo os homens nascidos sob o jugo, mais tarde educados e criados na servidão, sem olhar mais longe, contentam-se em viver como nasceram; e como não pensam ter outro bem nem outro direito que o que encontraram, consideram natural a condição de seu nascimento”.

Uma vez intelectuais ou libertários distantes e amedrontados, uma  vez abertas as pernas de Angola para o mundo comprar sua calidez. Tal política, tem sido exibida no discurso que atesta que a falta de mão de obra qualificada é a razão pela qual se importa a massa estrangeira para o país  e subordinem os angolanos, comportando na maioria dos casos, subordinações e discriminações pautadas na raça  dos homens, com fundamentos preconceituosos , racistas e auto discriminatórios. É essa mesma política que mediocriza a educação nacional para justificar as manipulações e anormalidades políticas e sociais do país, banindo grosso modo, os valores e a consciência colectiva angolana, ao ponto de  naturalizar-se  não a morte  mas  a matança humana.  É a política  do desincentivo do autóctone  face ao  incentivo  do  estrangeiro, pois que o estrangeiro por mais libertário que seja,  não  fará o trabalho de casa dos angolanos, como um músico de reggae  cantando,  dizia: ninguém  irá sorrir  nem  chorar  por  nós.

Mas percebamos  que,  o tema  não tem reciprocidade interpretativa, pois  mesmo encontrando oportunidades  de realização profissional  em Angola, os estrangeiros não a trocam pelas suas  pátrias,  tal como muitos  angolanos  o fazem  lá fora. Eles continuam a amar suas pátrias porque  lá, mesmo  não  tendo oportunidade  de emprego,  ao menos têm  a oportunidade de serem  livres,  o mais  alto  nível do direito humano e da vida. Razão  pela qual,  encontram-se aqui, por  aventuras  e confirmações de enriquecimento, afora os tantos outros imigrantes africanos que saboreiam a mesma amargura nos demais pólos ditatoriais de África.

Para terminar este pequeno artigo, gostaria de questionar sobre como edificar um país democrático com cidadãos traumatizados e repletos de medos e más lembranças, tal como o próprio mundo se lembra de Angola a partir das suas guerras, presidência vitalícia, não mais a Njinga Mbande, mas Isabel dos Santos, mulher mais rica de África  e,  pelas matérias primas  da guerra do país: Petróleo, diamante e o empossamento da lei  do país por indivíduos deusificados na estória dos seus partidos, onde se arquitectou  a mitologia e toda maledicência residente no credo popular angolano, inclusive a respeito de nós mesmos, onde nos cabe constatar que o principal problema de Angola são os seus homens, quais precisam ser urgentemente nocauteados pela consciência popular.

 

Por Mário Lunga

Comments
  1. Araújo Manjor says:

    O texto vem sim com conteúdo muito forte e acima de tudo inspirador, e digo com todo ar no pulmão – obrigado Mário Lunga por esta sua análise, muito coerente e recheada de verdades. Precisamos perceber sim que governo somos nós e não o MPLA e mesmo antes que se promulguem os direitos civis/constitucionais já herdamos desde a criação da humanidade.

  2. Maria Júlia Monteiro says:

    Gostei muito de ler. Li Frantz Fanon quando tinha os meus 17 anos, frequentava então a Casa dos Estudantes do Império (é verdade, era assim que se chamava e foi um viveiro de muitos combatentes pela libertação) e nunca esqueci. Daqui, de uma Europa também a viver um mau momento – e, com os meus 71, já não viverei melhor – acompanho com mágoa o que se passa no meu continente. Aos jovens peço que façam como o autor deste artigo: estudem, cultivem-se, construam um país novo!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s