Terminologias Correctas na Era da Inclusão

Posted: April 22, 2014 in Opinião

Inclusão

Já me tinha proposto a escrever algumas linhazitas à volta deste assunto, há uns meses cheguei mesmo a prometê-lo à amiga Amor de Fátima, na sequência de uma campanha por ela lançada, a favor de alguém com limitações físicas que precisava de uma cadeira de rodas motorizada. Na altura, falava-se sobre a campanha, na Rede Social Facebook, e foram usadas expressões referindo-se ao jovem alvo da campanha, contras as quais me insurgi, e a amiga acimada referida retorquiu, mais ou menos nos seguintes termos: “então, Adão, que expressões têm de ser usadas, quando nos referimos a estas pessoas”? Foi então que ficou reforçada a ideia que já tinha de trazer algum subsídio sobre a matéria em apreço, uma preocupação partilhada pelo meu amigo Will Bento Tonet.

Eu penso que usar certas expressões, não é apenas uma questão de semântica ou de quem as vier a ouvir ou ler entenderá “bota” ou “sapato”, se quisermos comunicar construtivamente e de modo inclusivo, sobretudo quando se tratam de assuntos de caris humano. A forma correcta de se dizer é especialmente importante, quando se abordam assuntos eivados de preconceitos, estigmas ou estereótipos, como o caso das chamadas “deficiências”.

As expressões são consideradas correctas em função de valores e conceitos vigentes em cada sociedade e época. Assim, elas passam a ser incorrectas, quando esses valores e conceitos vão sendo substituídos por outros, o que exige o uso de outras palavras. Estas outras palavras podem já existir na língua falada e escrita, mas, neste caso, passam a ter novos significados. Ou são construídas especificamente para designar conceitos novos. O maior problema decorrente do uso de termos incorrectos reside no facto dos conceitos obsoletos, as ideias equivocadas ou as informações inexactas serem inadvertidamente reforçados.

Este facto pode ser a razão pela qual algumas pessoas demoram em mudar seus comportamentos e raciocínios, em relação, por exemplo, à situação das pessoas com “deficiência”. O mesmo facto também pode ser responsável pela dificuldade da mudança de paradigmas como o que está a acontecer, por exemplo, na mudança da integração para a inclusão.

Este é um assunto de grande importância, ao qual quase ninguém presta atenção no nosso país, nem mesmo os ditos activistas, que se batem pelos “direitos dos deficientes físicos”. Sendo que eles próprios auto designam-se “deficientes físicos”, não esperaria que quisessem mais do que a mera “integração dos deficientes”, quais coitaditos a procura de misericórdia, ao ponto de denominarem suas organizações como sendo, “…dos deficientes…” ou mesmo “…para integração dos deficientes”. Grande disparate!

A seguir, trago algumas expressões incorrectas e os equivalentes termos, frases e grafias correctas, visando ajudar a quem necessite de falar ou escrever sobre pessoas com limitações. As expressões incorrectas são ouvidas ou lidas, no dia-a-dia, ditas até por quem tem responsabilidades de Estado, jornalistas, palestrantes, professores, etc.

  1. Pessoa normal

Com o intuito de se referir a alguém, que supostamente, não possua uma “deficiência”, muitas pessoas usam a expressão NORMAL. Isso acontecia no passado, quando o preconceito a respeito de pessoas com “deficiência” eram tão grande que as sociedades acreditavam na NORMALIDADE das pessoas sem “deficiência”. Esta crença fundamentava-se na ideia de que era ANORMAL a pessoa que possuísse uma “deficiência”. A NORMALIDADE, em relação as pessoas, é um conceito questionável e ultrapassado. TERMOS CORRECTOS: Pessoa sem limitação (física, mental, etc.)

 

  1. Aleijado; defeituoso; deficiente; incapacitado; inválido;

Estes termos eram usados com frequência até à década de 80. A partir de 1981, por influência do Ano Internacional das Pessoas deficientes, começou-se a escrever e falar pela primeira vez a expressão PESSOA DEFICIENTE. O acréscimo da palavra PESSOA, passando o vocábulo DEFICIENTE para a função de adjectivo, foi uma grande novidade na época. No início houve reacções de surpresa e espanto diante da palavra PESSOA. Aos poucos foi sendo usada a expressão PESSOA PORTADORA DE DEFICIÊNCIA, frequentemente reduzida para PORTADOR DE DEFICIÊNCIA. Por volta da metade da década de 90, entrou em uso a expressão PESSOA COM DEFICIÊNCIA, que permanece até hoje. Particularmente acho erradas estas formulações, pois a palavra DEFICIENTE ou DEFICIENCIA tem subjacente a ideia de defeituoso, inútil ou inválido, tal como algo que tem defeito de fabrico, logo se torna arriscado ou inaconselhável contar com ele(a). Portanto, quanto a mim, tratar a alguém como “PORTADOR DE DEFICIÊNCIA” ou “PESSOA COM DEFICIÊNCIA”, é igualmente ofensivo, discriminatório e não inclusivo. TERMO CORRECTO: Pessoa com Limitação (física, mental, auditiva, etc.). Já que limitação todos a temos, nuns mais ou menos acentuados, daí fazer sentido a especificação da Limitação (física, mental, auditiva, etc.), em caso de necessidade.

 

  1. “Apesar de deficiente ele(a) é inteligente, participativo(a), bom, assado(a) e cozido(a), etc. e tal.”

Nesta frase há preconceito: A pessoa tida como deficiente não pode serinteligente, participativo, bom, assado e cozido… . FRASE CORRECTA: “ele(a) tem limitação e é …”, isto se for necessário referência à limitação; regra geral não o é, as pessoas é que gostam de dar destaque ao que acham ser “defeito” dos outros.

 

  1. Cadeiras de rodas eléctricas.

Trata-se de uma cadeira de rodas equipada com um motor. TERMO CORRECTO: cadeira de rodas motorizada.

 

  1. Ceguinho

O diminuitivo ceguinho denota que o “cego” não é tido como uma pessoa completa. TERMO CORRECTO: Pessoa com Limitação visual. Também não concordo com a expressão “INVISUAL”.

 

  1. Turma normal

TERMOS CORRECTOS: turma comum, turma regular. No futuro quando todas as escolas se tornarem inclusivas, bastará o uso da palavra CLASSE, sem adjectiva-las.

 

  1. Criança com necessidades especiais ou excepcionais

TERMOS CORRECTOS: crianças com limitações intelectuais, crianças com limitações mentais. ESPECIAIS OU EXCEPCIONAIS, foram termos usados nos anos 50, 60, 70 para designar “Pessoa com Deficiência Intelectual”. Com o surgimento de estudos práticos educacionais, nas décadas de 80 e 90 a respeito de altas habilidades ou talentos extraordinários, o termo EXCEPCIONAIS passou a referir-se tanto a pessoas com inteligências múltiplas acima da média (pessoa superdotadas ou com altas habilidades e génios), quanto a pessoas com inteligência lógico-matemática abaixo da média (pessoa com limitação intelectual).

 

  1. Doente mental

TERMO CORRECTO: Pessoa com transtorno intelectual, paciente psiquiátrico.

 

Por Adão Ramos
Adão Ramos foto

 

 

 

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ANTUNES, Celso, Jogos para estimulação das múltiplas inteligências. 3 ed. 1999;

OMS. Declaração de Montreal sobre deficiência Intelectual. Montreal, Canadá, 4-6

SASSAKI, ROMEU Kazumi. Terminologia sobre deficiência na era da inclusão. Revista Nacional de Reabilitação, São Paulo, ano 5, n.24, jan./fev.2002.

Construindo uma Sociedade para Todos (5 ed., Rio de Janeiro, 2003)

**Will Bento Tonet, activista de inclusão social, consultor, comunicólogo e professor universitário, 2006

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s