Jornalistas e activistas na primeira conferência “The Guardian Activate Johannesburg 2014”

Posted: July 3, 2014 in Luanda

 

Pedrowski Teca

 

Pretória, África do Sul – O Continente Africano foi pela primeira vez o anfitrião da “plataforma de inovação digital” do maior jornal inglês, The Guardian, designado ACTIVATE, onde vários jornalistas, editores, analistas/colunistas, políticos, bloggers, actores, empresários e muitos outros profissionais influentes e de calibre mundial, reuniram-se para debaterem e trocarem experiências sobre como as novas Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) têm mudado o mundo.

Foi de certeza um grande privilégio, sendo um modesto jovem activista cívico Angolano formado em Jornalismo e Tecnologias de Comunicação, poder participar e partilhar a experiência Angolana numa plataforma onde grandes personagens do jornalismo mundial, como o Alan Rusbridger, editor-chefe do jornal The Guardian News & Media, e muitos outros profissionais do Continente Africano e do mundo, que reuniram-se em torno da análise de vários aspectos e impactos mundiais da mídia e da internet aberta.

A conferência “Activate”, sendo uma “plataforma de inovação digital” do The Guardian News & Media, tem sido organizado em vários continentes e pela primeira vez, realizou-se uma versão Africana.

O acto ocorreu das 8 horas às 18 horas da Quinta-feira, 26 de Junho de 2014, no centro de convenções “The Forum – Turbine Hall”, localizado na rua Ntemi Piliso, 65, na cidade de Johannesburg, República da África do Sul.

CASOS PERTINENTES

Dando um carácter Africano ao acto, o evento foi moderado pela jornalista de difusão e colunista sul-africana, Nikiwe Bikitsha, e teve como orador principal o Dr. Bitange Ndemo, ex-Secretário Permanente do Ministério da Informação e Comunicação do Quênia e actual director da Aliança para Internet Accessível (Alliance for Affordable Internet).

O Dr. Bitange Ndemo partilhou com os presentes os desafios que teve, como membro do governo queniano, em garantir a accessibilidade e o uso da internet e das novas TICs naquele país à ponto de ser considerado o melhor no Continente Africano e um grande competidor à nível mundial.

Para Ndemo, o maior obstáculo em África quanto às novas TICs, são as legislações e a falta de vontade política dos vários líderes Africanos, porque “inexplicavelmente, o know-how” é adquirido naturalmente pelos usuários que sem treinamentos formais, o Continente testemunhou um aumento inimaginável de número de usuários de novas TICs.

A ocasião foi recheada de várias sessões de paineis de debates intercaladas, apresentacões de projectos inovadores que involviam o uso das novas TICs, tendo a moderadora Nikiwe Bikitsha, realizada a grande entrevista com o editor-chefe do The Guardian News & Media, Alan Rusbridger, sobre a sua experiência no contacto directo com o ex-consultor da Agência Nacional de Segurança dos EUA (NSA), o jovem Edward Snowden, que vazou milhares de informações confidenciais ao seu jornal, especificamente em como os EUA espiavam os países à nível mundial, incluindo os seus presidentes, empresários e milhares de pessoas influentes.

De facto, foi um grande privilégio ouvir a experiência e os desafios do The Guardian, em como as grandes potências mundial, EUA e Reino Unido, tentaram censurar, intimidar o jornal e influenciar as suas fontes de financiamente afim de impedir a publicação das informações vazadas por Edward Snowden.

Alan Rusbridger revelou que ao entregar-lhes as informações, Edward Snowden não solicitou nenhuma compensação monetária, mas que preocupava-se somente em ter a garantia de que as informações seriam divulgadas porque tivera comprometido a sua liberdade e a própria vida em prol da divulgação de uma verdade de carácter mundial.

Rusbridger acrescentou que o jornal The Guardian e a maior preocupação de Snowden foram protegidas e satisfeitas pelo facto do jovem ter difundido as mesmas informações em maiores órgãos de comunicação social em três continentes, tornando inútil a actuação de censura e intimidação ao maior jornal inglês.

Para além do caso Snowden, a entrevista também tocou na diferença entre jornalistas e activistas cívicos, tendo Rusbridger esclarecido a incompatibilidade das duas funções, sendo que um jornalista é um mediador que deve aderir a ética da profissão, como a isenção e a publicação de factos verificados, enquanto um activista cívico encontra-se sempre num extremo, defendendo uma causa e acrescentando pontos de vista (opinões) à factos ou situações.

Os palestrantes apresentaram vários projectos inovadores ligados às novas TICs, tendo se destacado o projecto de uso de drones (aviões espiões pequenos) para a cobertura de eventos em grandes ângulos, como no caso de desastres naturais e manifestações populares; O projecto de um jovem sul-africano que grava contéudos (livros) escolares em cartões SIM usados e que permite a leitura de matérias em telemóveis por parte de alunos e estudantes; O projecto dos fârmacos que situam-se num centro onde através da internet (website e redes sociais) e telemóveis (chamadas de voz e SMS) ajudam as populacões quando ao devido uso de receitas ou prescripções médicas.

CASOS: ANGOLA E MOÇAMBIQUE

Antes do começo na conferência, tive a oportunidade de interagir com vários jornalistas e activistas cívicos que mostraram-se interessados em saber sobre o exercício do jornalismo e activismo cívico em Angola. No entanto, os profissionais de vários países admitiram saber “muito pouco” sobre o que tem acontecido em Angola por falta de plataformas de comunicação social Angolanas que divulgam informações nas línguas inglesa e francesa.

Durante a conferência, no painel que debateu sobre os novos modelos de jornalismo e mudanças nas formas de consumo de informações, encontrava-se o jornalista Moçambicano, Erik Charas, fundador e director da Charas LDA, propritária do jornal “Verdade” naquele país.

Entusiasmado, Erik Charas partilhou com a audiência em como as novas TICs são usadas em Moçambique e os desafios que os jornalistas e activistas enfrentam naquele país.

Charas falou de como em muitos países as legislações estão a ser actualizadas afim de garantirem a censura e criminalização das actividades de usuários de novas TICs. Acrescentou também que actualmente intensificaram-se as intercepções ilegais em contas de usuários de internet e telefones; Em defesa do regime em Moçambique, criou-se um grupo de usuários anónimos com o propósito de desinformarem as pessoas e desviarem os debates de assuntos importantes para assuntos banais que não constituem críticas ao regime Moçambicano.

O jornalista lamentou que o seu país está em ameaça de uma outra guerra civil e nota-se um distanciamente da mídia internacional neste facto.

Foi durante o painel de Charas que eu, Pedrowski Teca, intervi concordando com o Charas de que os maiores órgãos de comunicação social do mundo fazem pouca cobertura noticiosa das situações que realmente ocorrem em países de expressão da língua portuguesa, principalmente países Africanos.

No olhar de Erik Charas, notei um sorriso de satisfação quando interrompeu-me confirmando a irmandade e a similaridade de acontecimentos nos nossos países.

Concordando com o Dr. Bitange Ndemo do Quênia, sobre as legislações sendo um dos maiores desafios das novas TICs, dirigi-me ao jornalista que apresentou o projecto de uso de drones para a cobertura de eventos em grandes ângulos, perguntando-o se no seu país a legislação previa tais actos por parte de jornalistas e quais eram as implicações na possível violação da privacidade de indivíduos ou colectivos e na possível ameaça de segurança nacional no uso de drones domésticos.

Aproveitando a oportunidade, expliquei à audiência de que em 2011, inspirados pelos protestos no norte de África através das novas TICs, a juventude Angolana levantou-se protestando contra a longividade do ditador José Eduardo dos Santos no poder, e que mesmo naquela altura, o regime Angolano tentou impor uma lei que criminalizava as mais básicas liberdades de expressão dos cidadãos na internet. Acrescentei que o actual Código Penal Angolano está a ser revisado e actualizado afim de penalizar muitas das actividades de usuários das novas TICs.

A conferência “Activate Johannesburg 2014”, sendo a primeira do género no Continente Africano, provou ser uma plataforma importante e eficaz de interação dos jornalistas do Continente Berço, com profissionais de outros continentes.

MINHAS CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES

De certeza que a iniciativa do jornal The Guardian é de louvar, mas os profissionais do Continente Africano devem cessar do perpétuo hábito de esperar com que “os outros” sejam sempre os pioneiros de tais iniciativas no Continente. A questão é quê reações surgiriam se Angola realizasse um “Fórum do Jornal de Angola” na Inglaterra? Isto é para dizer que para alcansarmos a união e inclusividade genuina no Continente Africano, temos de ser os pioneiros das nossas acções.

– Os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), particularmente Angola e Moçambique, têm regimes políticos que se empenham numa luta árdua de branqueamente da realidade dos seus respectivos países, manipulando as informações, dando a impressão de que são “países das maravilhas” com as “economias que mais crescem à nível mundial”, enquanto as realidades são totalmente opostas no terreno. Há a necessidade urgente de criação de plataformas de divulgação de notícias em línguas mais faladas mundialmente, porque o mundo não faz ideia do que realmente acontece nos PALOP.

 

Comments
  1. Ju Jaleco says:

    Gostei muito de saber. Se eu pudesse e soubesse, ajudaria na criação de “plataformas de comunicação” que dessem a conhecer ao mundo o que se passa no meu país do coração. Enquanto fui professora, fiz um pouquinho por isso, penso eu…

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s