O Pensamento Político dos Jovens Revús

Posted: September 5, 2014 in Opinião

Nuno Alvaro Dala

“Se quem tem poder nega a tua liberdade, então o único caminho para a liberdade é o poder.” (Nelson Mandela)

Há três anos surgiram no cenário político angolano novos actores: os jovens revús, assim chamados no linguajar angolano para designar/definir os jovens activistas cívicos que têm realizado várias actividades cívico-sociais, como as manifestações no sentido da mudança do quadro político e social em Angola. As mesmas – a título de exemplo – têm consistido em exigir que o Presidente da República abandone o cargo, que haja efectiva liberdade de expressão e de imprensa em Angola, que as autoridades respeitem a dignidade de cidadãos como os vendedores de rua e zungueiros e que os direitos dos professores sejam salvaguardados ao contrário do que tem ocorrido em províncias como a Huila, em que o Governo Provincial tem reagido desastrosamente mal à greve dos professores.

Possuidores de uma coragem que a maioria dos angolanos não tem, os jovens revús – ao contrário de observações crítico-destrutivistas, que os remetem a meros instrumentos de agentes internos e externos que alegadamente conspiram contra Angola – tais jovens demonstram afinal possuírem um pensamento politico próprio segundo o qual – entre outras coisas -: (1) O Presidente da República, no poder a caminho de 35 anos, [já] é o principal obstáculo à realização política, social e cultural dos angolanos e, como tal, DEVE ABANDONAR O CARGO; (2) Há em Angola uma ditadura traduzida numa governação mafiosa assente na adulação/idolatria do PR, na depredação do erário publico, no nepotismo, na violação grosseira da Constituição, na corrupção e no assassinato de cidadãos contestatários ao regime, etc.; (3) A mudança em Angola já não é possível por meio de eleições, mas SIM PELA CONTÍNUA CONTESTAÇÃO POLÍTICA NAS RUAS e PELA DESOBEDIÊNCIA CIVIL, pois – além de não haver oposição política credível em Angola – as eleições são uma encenação politica “para inglês ver”, um mero instrumento de manutenção do regime de José Eduardo dos Santos…etc.

Este quadro de percepção política repousa sobre uma conjuntura em que as exigências dos jovens são essencialmente sociais. Mas as mesmas abarcam o campo político pela politização de que o estado angolano é também vitima. A falta de separação de poderes e a sobreposição do poder político a todos outros poderes fê-los enveredar para este campo também. No primeiro draft elaborado por eles (mas ainda não publicado) para tentar colocar por escrito o que são ou o que eles pretendem, eis o que se pode ler nalgumas passagens do documento: “Somos uma diversidade de jovens de vários estratos sociais, cores e credos, unidos em torno de uma causa, luta e propósito, o mesmo que é alegado por movimentos análogos por este mundo fora e que se pode resumir no discurso populista com a frase: ‘queremos deixar o mundo um sítio melhor para se viver do que aquele que encontramos’. Vemo-nos como parte integrante de um movimento social global, um movimento constituído por uma multitude de campos e formas de acção que, não sendo sempre compatíveis e concordantes, apontam, regra geral, no mesmo sentido: resgate do poder das mãos da classe política cada vez mais desconectada dos governados, para estruturas a nível mais local que possam tomar parte das decisões de como gerir os seus próprios problemas. A nossa humilde parcela nesse movimento escolheu deliberadamente ser apócrifa, desburocratizada, sem regras explícitas, obrigações, estrutura hierárquica, firme no credo de que existe ordem no caos se nos dermos ao trabalho de organizá-lo com carinho. (…). As nossas acções orientam-se fundamentalmente no seguinte: a) Promoção de uma cidadania activa, participativa e atuante. – Combate às injustiças e assimetrias sociais; b) Construção do estado mais próximo do ideal democrático; c) Elevação da consciência social critica; d) Combate à ditaduras, tiranias e outras formas de governos repressivos; e) Promoção e defesa das liberdades e direitos fundamentais; g) Informação, Formação e Participação; h) Independência política, económica e governativa; i) Estudos, pesquisa cientifica e tecnologias de informação; j) Ensino libertador. Regemo-nos pela lógica ‘Vários povos, uma só nação’”.

Estas posições nos permitem inferir que os jovens revús são cidadãos cuja acçao política é regida por um pensamento político próprio que se pauta pela “salvação de Angola”. Consideram que Angola está sequestrada pelo regime que a tem (des)governado desde 1975 e que, cientes da realidade actual, é necessário que os próprios angolanos levem à cabo toda uma luta política que resulte no fim do regime eduardino e no estabelecimento de um verdadeiro estado democrático e de direito, de realização do cidadão.

Embora sejam frequentemente designados como “jovens do Movimento Revolucionário”, a verdade, porém, há actualmente duas grupos. Por um lado temos aqueles continuam sem aparato estrutural organizacional – estes não estão num tal movimento revolucionário estruturado e organizado, no qual os jovens estejam integrados e sigam uma lógica de militante de partido ou organização política que visa o poder. Por outro lado – porém – em Maio de 2013, um grupo de jovens decidiu oficializar-se como Movimento Revolucionário, com uma estrutura colegial, estatuto e outros aspectos próprios de movimentos estruturados.

Os jovens revús da outra franja têm mantido a visão que foi espelhada anteriormente e – como já explicado -, o que fazem é na verdade parte de um movimento global, é a nova visão social para as políticas governativas e participação do cidadão. Estes jovens – de ambos os “lados” -, porém, nãos nos se vêm como rivais; antes pelo contrário, se vêm como complementares, sendo que estão apenas em plataformas de actuação diferentes.

De facto, há várias tendências na juventude revú, desde as mais radicais até aquelas que consideram que pouco a pouco, fruto de constantes movimentações contestatárias, as mudanças acabarão por ocorrer em Angola. Num extremo, há aqueles que consideram que o caminho para libertar Angola do regime eduardino é a insurreição popular, ao estilo da Primavera Árabe; no outro extremo há aqueles que consideram que o regime deve chegar ao fim pelos meios consagrados na Constituição, mas com recurso a pressão popular constante.

Ora, neste texto não pretendemos fazer juízo de valor no sentido de aprovar esta ou aquela posição. Nosso propósito discursivo visa trazer à luz do dia o facto indesmentível de que – independentemente das diversas opiniões – OS JOVENS REVÚS POSSUEM UM PENSAMENTO POLÍTICO PRÓPRIO, que evidencia o facto de que SÃO JOVENS PREOCUPADOS COM O PAÍS, que não se limitam a observar e queixar-se do estado do país, mas que vão à luta, tal como o fizeram os jovens angolanos que há várias décadas entraram na luta política e militar de libertação de Angola do regime colonial português, o qual tratava os angolanos como seres humanos de quinta categoria, em sua própria terra.

A leitura política dos jovens revús é de que, se no passado, jovens de diversos estratos sociais deram o seu melhor pela independência de Angola – muitos dos quais tendo morrido por via disso -, então hoje os filhos e netos de tais nacionalistas devem agora libertar Angola do regime mafioso que transformou Angola na sua quinta e remeteu os seus cidadãos no debalde geral.

De acordo ainda com esta leitura, há 60 ou 50 anos, parecia praticamente impossível Angola estar livre do colonialismo português. E os jovens que entravam na luta, uns por sua conta e risco e outros por via dos vários movimentos pró-independência, sabiam que não seria fácil tal empreitada de libertar Angola do regime colonial.

Ora, Angola finalmente se tornou independente em 1975, mas – fruto da imposição de uma agenda diferente daquela pela qual os angolanos se construiriam como Nação e como estado, veio a guerra. As narrativas do regime do MPLA passaram a inculcar nos angolanos que o único culpado pela guerra e “inimigo do povo” era Jonas Savimbi, retratado na música de David Zé como “Kifumbe”, palavra Kimbundu que significa “assassino”, “homicida”, etc. Servindo-se do sistema educativo e de outras estruturas de poder, o regime inculcou na mente de milhões de angolanos a ideia de que Savimbi era o tal “Kifumbe”, o delinquente e único responsável pela guerra e outros males. Cerca de vinte e sete anos depois, em Fevereiro de 2002 Savimbi morreu em combate, e sua morte foi celebrada efusivamente por milhões de angolanos. Afinal, o “Kifumbe”, o suposto culpado por todos os males de Angola, estava morto!

Se é verdade que um país não é totalmente reconstruível em 10 ou 12 anos, também é verdade que durante este tempo de paz, milhões de angolanos passaram a perceber a realidade que a lavagem cerebral de muitos anos escondia: afinal, em primeiro lugar, para haver guerra tem de haver no mínimo duas partes em conflito; assim sendo, “a culpa é de todos nós” e a guerra não foi o único mal da Angola independente. A opção marxista-leninista do regime que tomou o poder em 1975 assim como o seu nepotismo, a depredação do erário publico, a violação grosseira da Constituição e a corrupção não eram da responsabilidade de Jonas Savimbi. Aliás, nem Jonas Savimbi nem Holden Roberto tiveram algo a ver com o assassinato de milhares e milhares de angolanos nos fatídicos acontecimentos de 27 de Maio de 1977. Nem foram eles que assassinaram Ricardo de Melo, Simão Roberto, Mfulupinga Landu Víctor ou Isaías Cassule e Alves Kamulingue!

Os angolanos lúcidos agora sabem que é o regime no poder que é responsável pela situação actual. E se quisermos apenas contar o período pós-2002, fica impossível enxergar outro culpado responsável pelo estado em que Angola se encontra. É preciso salvar Angola!

Quem salvará Angola? Ora, os jovens revús consideram que são os próprios angolanos que devem salvar sua pátria, e que “ficar só a ver” é cobardia do maior tamanho. Compreendem que, tal como diz um ditado: “Se o teu chefe ergue sua mão e enfia seu dedo no teu olho, tu também és cúmplice dele em fazer mal a ti mesmo”!

Os jovens revús demonstram ser verdadeiros patriotas, angolanos lúcidos que se recusam a aceitar os termos desta Pax Eduardensis.

Assim, numa altura em que milhões de angolanos ainda continuam sob anestesia geral, é necessário perceber que “O Menino Deve Sim Falar Política” – deve ajudar a salvar Angola!

 

Por Nuno Álvaro Dala

 

 

 

 

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s