A constituição de uma frente única para a salvação de Angola

Posted: December 9, 2014 in Argumentos, Opinião
Tags: ,
Nuno Álvaro Dala, o autor

Nuno Álvaro Dala, o autor

ANGOLA precisa de salvação. O estado social apocalíptico em que se encontra a vasta maioria dos angolanos, fruto em grande medida da fundação tirânico-ditatorial do estado e da implantação e manutenção de um regime cleptocrático, corrupto e violador dos direitos, liberdades e garantias dos cidadão conformam o fundo justificacional de salvação de Angola.

Tal como temos afirmado persistentemente, os angolanos estão certamente diante de um grande dilema, um quadro de duas opções, segundo o qual: ou continuam a ser (des)governados pelo regime tirânico- ditatorial e cleptocrático de José Eduardo dos Santos, ou se revoltam contra este regime, levando a cabo um processo de mudança ou reforma no sentido da implantação de um estado democrático e de bem-estar social.

A primeira opção é insatisfatória, pois ela implica a resignação e a manutenção da inaceitável situação em que José Eduardo dos Santos e seu regime continuarão a urinar sobre o rosto depauperado dos angolanos, rosto surrado pela fome, pobreza, exclusão socioeconómica e política e violência policial, fazendo com que os outros povos duvidem seriamente da lucidez e sentido de dignidade dos angolanos. Questiona-se: Será que os angolanos já perderam amor-próprio? Será que os angolanos acreditam mesmo que nasceram para sofrer? Será que os angolanos não estão preocupados com Angola e com as futuras gerações?

Quanto à segunda opção, esta consiste em enveredar pelo caminho da REVOLTA, e isto tem custos, ou seja, o preço da revolução. Mas é a melhor das duas opções, por ser um processo de eliminação do mal pela raiz.

O Manifesto das organizações que mais tarde se fundiram e formaram o MPLA afirma o seguinte: “O colonialismo não cairá sem luta. É por isso que o Povo angolano só se poderá libertar pela guerra revolucionária. E esta apenas será vitoriosa com a realidade de uma frente de unidade de todas as forças anti-imperialistas de Angola que não esteja ligada à cor, à situação social, a credos religiosos e tendências individuais; será vitoriosa graças à formação de um vasto MOVIMENTO POPULAR DE LIBERTAÇÃO DE ANGOLA.”

De facto, há mais de 50 anos, os revolucionários angolanos compreendiam, entre outras questões, que: (1) O fim da colonização portuguesa apenas seria uma realidade com recurso à luta permanente; (2) Tal luta permanente assumiria a forma de guerra revolucionária; (3) A guerra revolucionária apenas seria eficiente e eficaz se os angolanos revoltados se reunissem em FRENTE ÚNICA, regidos por uma visão e uma estratégia de luta que estivesse acima de questões subjectivas como a cor da pele, os credos religiosos e as tendências individuais; (4) O processo de luta seria possível com a adesão popular, ou seja, milhares de angolanos!

Um grande erro foi a criação de vários movimentos de libertação, com visões e estratégias dissonantes tanto sobre a luta como sobre o projecto de tornar Angola num estado independente. Durante a guerra de libertação nacional, lamentavelmente, as questões subjectivas acabaram criando conflitos entre os próprios movimentos, que foram incapazes de fazer uma frente única como a descrita acima.

O resultado da ausência de uma frente única foi a fundação desastrosa do estado angolano. Angola nasceu num acto de proclamação da independência marcado pela divisão, ambição pelo poder, ataques mútuos e guerra fracticida!

Os angolanos travaram entre si uma guerra que durou quase 3 décadas, deixando o país de rastos!

Mais de 10 anos depois do alcance da paz, os angolanos levam uma vida de proporções apocalípticas. O regime eduardino transformou o país na sua quinta! A pobreza, a corrupção quase antropológica, o tráfico de influências, o esbulho de terras, o saque do erário público, o nepotismo, o sistema educativo deformador, o sistema precário de saúde, a bajulação, etc. são as marcas, as características de um país cujo regime é ambiforme e inviabilizador do estado de democrático de bem-estar social.

Efectivamente, não há dúvidas de que os chamados Libertadores da Pátria fizeram de Angola refém das suas visões auto-excludentes por meio de uma ditadura cujo cabeça, José Eduardo dos Santos, não está realmente preocupado com a construção de uma Angola para todos. Ele e seus acólitos transformaram Angola na sua mina privada.

Há mais de 40 os agentes do mal [colonos] eram portugueses. Hoje, os agentes do mal são angolanos, ou seja, os “libertadores da pátria” instalaram um regime prejudicial tão iníquo ou pior que o colonial, que maltrata sistematicamente seus próprios irmãos. Os governantes angolanos não estão preocupados com Angola e os angolanos e muito menos trabalham para a realização social dos angolanos. São um grupo de delinquentes disfarçados em Governo!

Ora, na Angola do século XXI, verifica-se que: “O regime eduardino do MPLA não cairá sem luta. É por isso que o Povo angolano só se poderá libertar pela revolução nas ruas, num processo de contestação política permanente de erosão do regime. E esta revolução apenas será vitoriosa com a realidade de uma frente de unidade de todas as forças contra o regime eduardino do MPLA, uma frente que não esteja ligada à cor, à situação social, a credos religiosos e tendências individuais; será vitoriosa graças à formação de um vasto MOVIMENTO POPULAR DE REMOÇÃO DO PODER DE JOSÉ EDUARDO DOS SANTOS E SEU MPLA.

Na verdade, Angola já é palco de um processo revolucionário, que encontra nos jovens activistas o rosto de uma geração da mudança que diz basta à José Eduardo dos Santos e seu regime. Uma geração que não se revê nos partidos políticos nem na chamada sociedade civil, grande parte da qual é mera extensão do regime!

sentada01

Os jovens activistas, genericamente designados por “Jovens Revús”, têm persistentemente demonstrado que Angola está no mau caminho, por culpa da geração dos que lutaram pela independência. Seus muitos erros levaram Angola ao desastre! ANGOLA FOI SEQUESTRADA E ESTÁ APRISIONADA POR ESTA GERAÇÃO. Esta geração chegou à direcção do país sem projecto político à altura dos desafios. Esta “geração dos libertadores” continua a digladiar-se entre si para sua própria acomodação. É gente que não tem projecto credível para Angola.

O MPLA, a UNITA e a moribunda FNLA são dirigidos pela “geração dos libertadores”, que insistem em manter Angola prisioneira dos seus caprichos!

Os jovens activistas, ou revús, sabem que para a salvação de Angola, mais do que ter este desejo, há que possuir uma visão assente no facto de que ‘o regime eduardino do MPLA não cairá sem luta. É por isso que o Povo angolano só se poderá libertar pela revolução nas ruas, num processo de contestação política permanente de erosão do regime. E esta revolução apenas será vitoriosa com a realidade de uma frente de unidade de todas as forças contra o regime eduardino do MPLA, uma frente que não esteja ligada à cor, à situação social, a credos religiosos e tendências individuais ou seja, que não seja obstaculizada pelo racismo, pelas sectarismo grupal por tipos sociais, pelas particularidades religiosas prejudiciais pelas tendências individuais antagónicas aos objectivos da luta. A vitória apenas será realidade graças à formação de um vasto MOVIMENTO POPULAR DE REMOÇÃO DO PODER DE JOSÉ EDUARDO DOS SANTOS E SEU MPLA – UMA FRENTE ÚNICA!’

Para os jovens revús, a união, uma visão e uma estratégia de luta construídas democraticamente e a contínua aprendizagem são essenciais para a mudança em Angola – para a salvação de Angola!

Compreendem que sua luta não se rege por agendas egotistas, as mesmas que levaram Angola ao desastre actual. A luta pela erosão do regime actual, a transição e o processo fundacional de uma nova Angola, em que o poder volte a ser do povo, para o povo e pelo povo, são questões que norteiam toda uma luta que só está no começo!

 

Por Nuno Álvaro Dala

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s