Jovens revús contrapõem o desafio da JMPLA

Posted: December 16, 2014 in Notícias, Argumentos

O desafio para um debate lançado pelo Secretário Provincial da JMPLA, Tomás Bica Muambundo, visando conhecer o fundamento da luta dos chamados jovens activistas cívicos, conhecidos por revolucionários ou revús, foi contraposto nesta terça-feira, 16 de Dezembro de 2014, num encontro de cerca de 40 minutos, que teve lugar na CASA 70, bairro Vila Alice, em Luanda.

Dois incidentes marcantes nas últimas 48 horas determinaram a posição dos jovens revús: a inviabilização, por parte da Polícia Nacional de Angola, de uma reunião interna dos jovens que visava reflectir em torno do desafio feito; E a tentativa de imposição de temas para o debate por parte da JMPLA de Luanda.

O DESAFIO

Pág. 9 do Semanário Manchete, contendo a entrevista à Nito Alves

Pág. 9 do Semanário Manchete, contendo a entrevista à Nito Alves

O secretário da JMPLA de Luanda, Tomás Bica Muambundo, lançou o desafio recentemente, com recurso a um órgão de imprensa pública, onde afirmou, conforme reportado pelo Semanário Manchete, aos 12 de Dezembro de 2014: “queremos um debate, uma reunião com estes jovens que, efectivamente dizem ser revolucionários, porque queremos perceber qual é o fundamento dessa revolução”, referindo-se a constantes realizações de manifestações públicas em Angola desde 7 de Março de 2011.

Em resposta, na mesma edição (nº. 88) do Manchete, o activista Manuel Nito Alves indagado sobre o seu posicionamento acerca do convite lançado por Bica, respondeu que aceitaria, mediante determinadas condições inegociáveis.

No sábado, 13 de Dezembro de 2014, os jovens activistas cívicos mantiveram o primeiro contacto telefónico com o secretário da JMPLA de Luanda, onde se acordou na realização de um encontro preliminar para se abordar o assunto, marcado para às 12 horas de terça-feira, 16 de Dezembro de 2014, na Casa 70, mas que só teve início às 13h00, uma hora depois do combinado, por atraso injustificado dos representantes da JMPLA.

PRIMEIRO INCIDENTE: Polícia inviabiliza encontro interno

Em jeito de concertação, na segunda-feira, 15 de Dezembro de 2014, juntaram-se no Largo do Amor, Vila Alice, representantes dos vários movimentos de activistas cívicos existentes, para abordar a conveniência e a utilidade de tal debate com um quadro júnior do partido que não exerce influência sobre aquela sombra a quem todos se referem temerosamente como “ordens superiores”.

Enquanto se procurava um consenso acerca do posicionamento a ser tomado em relação a esse convite, cerca de uma hora após o início da conversa, os jovens foram surpreendidos pela chegada de um patrulheiro com um oficial da 3ª Esquadra, Miguel Luís de seu nome, fazendo-se acompanhar de 4 homens de metralhadora em riste que rapidamente se colocaram em posição circular em redor dos jovens, enquanto o comandante da mesma operação, Joaquim Jordão, se manteve no carro, rodopiando pelo largo.

De forma inicialmente apologética e escudando-se na impossibilidade de recusa de uma “ordem superior” (de novo ela), o agente da Polícia rogou aos jovens que saíssem do Largo do Amor pois ali não poderiam estar.

Estranho, pois tratava-se de um parque e como tal, lugar público onde a todo o momento tem pessoas sentadas, a andar ou engajados em qualquer outra actividade lícita. E lá estava a nossa polícia a mais uma vez a discriminar, segundo um conceito muito seu e seguramente anti-constitucional, o direito à vida pública normal de um específico grupo de indivíduos.

Estes factos, que o líder provincial do braço juvenil do MPLA parece ignorar, por si só deveriam explicar o fundamento das acções daqueles que reivindicam nada mais do que direitos elementares de qualquer Estado Democrático e de Direito.

Depois de um pequeno quid pro quo, foi solicitado pelos activistas que lhes fosse indicado então um sítio apropriado para continuarem a sua conversa. Em resposta, o oficial Miguel Luís sugeriu-lhes o Largo da Independência, certamente em forma de piada de mau gosto, apesar do seu tom sério.

O Comandante Joaquim Jordão, da 3ª Esquadra, estacionando finalmente a viatura, entrou no Largo, sem que no entanto se dignasse a dirigir a palavra aos activistas mesmo quando tal lhe foi solicitado. Manteve-se fixo, mudo e trombudo aguardando que os seus capatazes concluíssem a tarefa que lhes foi encomendada.

Comandante Joaquim Jordão, entrou mudo e saíu calado

Comandante Joaquim Jordão, entrou mudo e saíu calado

E foi desta forma que a reunião de concertação de ideias dos jovens activistas foi inviabilizada pela Polícia Nacional, que ameaçou usar a força, caso os jovens não obedecessem à “ordem superior” de se retirarem do referido largo.

SEGUNDO INCIDENTE: JMPLA não quer debater os fundamentos das manifestações

Perante a postura da Polícia Nacional, os activistas passaram a falar em uníssono: “Não há condições para debate algum, queremos debater com quem vos manda”. Ao interpor-se a interrupção policial, foi o único consenso possível e foi esse consenso que os activistas transmitiram hoje, 16 de Dezembro, na conversa que tiveram com Tomás Bica e seus séquitos, na Casa 70.

No entanto, os jovens activistas acrescentaram que estariam abertos a um debate, desde que este trouxesse à mesa de discussão altos representantes do Estado, que devem justificar as suas acções à luz da Constituição da República e sob condição inegociável que essa discussão fosse feita em directo na Televisão Pública de Angola após o Telejornal.

Perante esta contraproposta, Tomás Bica, tal como poderão constatar no áudio registado na reunião, quis condicionar o debate em torno do tema principal “A Juventude e a Política”, um tema vago e já amiúde abordado, excluindo deliberadamente qualquer abordagem que especifique as sevícias às quais os jovens manifestantes têm sido vítimas pelo regime do MPLA desde 2011, sugerindo que isso é competência dos tribunais.

Para os jovens activistas cívicos, é nítida a manietação do debate e defendem ser inaceitável que os seus moldes sejam impostos pela camarilha dos jotinhas, recusando à priori todo o debate que exclua as violações dos seus direitos fundamentais às quais têm sido sistematicamente sujeitos.

Para que conste, todavia, os activistas afirmaram o compromisso com a liberdade de escolha individual, notando que este posicionamento não constitui um vínculo ao qual todos os activistas devam obedecer e que, não se sentindo representados, não se iriam opor à opção de alguém, em seu nome próprio, aceitar o desafio. É portanto um posicionamento que se limita àqueles que nele se revejam.

Comments
  1. Ju Jaleco says:

    Fiquei “esclarecida” – e nada surpreendida… Força para continuarem!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s