Archive for the ‘Humor’ Category

Segundo episódio da nossa série baseada exclusivamente na entrevista concedida à SIC por JES.

Aqui focamo-nos no absurdo que evidenciou falta de prática (22 anos sem dar entrevistas), falta de treino/preparação para esta entrevista cujas questões lhe foram previamente submetidas, falta de domínio sobre os dados estatísticos mais elementares do pais que pretende governar assim como do seu processo histórico.

O facto de não ter acautelado a sua cábula de maneira mais discreta é um autêntico insulto à inteligência dos angolanos, mesmo à daqueles a quem mais tarde se refere como frustrados.

A equipa da Central Angola decidiu destrinçar, esmiuçar e esfarelar a “entrevista” do nosso “homem do desporto emprestado à política” e tentar extrair dela alguns momentos que achou dignos de realce, tentando, dentro dos seus limites, imprimir-lhe um cariz humorístico.

Este será o primeiro de vários (ainda não determinamos quantos) episódios. É muito curto e foca-se numa questão secundária de toda a sua longa intervenção: a comparação entre Mandela e Savimbi. Escolhemos começar com esse tema por ser muito fácil de trabalhar, dando duas ou três tesouradas na resposta e acrescentando a banda sonora escolhida. É muito curto (menos de 1 minuto) e não é representativo do que consideramos terem sido as bacoradas mais importantes do Comandante-em-chefe.

O segundo está quase pronto e os subsequentes não obedecerão necessariamente a uma periodicidade específica, mas à nossa disponibilidade sempre limitada de tempo.

Que tenham início as “hostilidades”.

A equipa da Central vem por esta agradecer ao grande serviço prestado à Nação e ao mundo por S. Exª Camarada Eng.º Arqº da Paz Guia Imortal Adjunto Comandante-em-chefe Presidente José Eduardo “Kitumba” dos Santos, ao submeter-se pela primeira vez em 22 anos a um questionário previamente estudado ao qual se chamou de entrevista, oferecendo-nos a evidência definitiva da sua caducidade e necessidade urgente de passar à reforma.

Foi uma fantástica exibição de esterilidade de ideias, de incapacidade retórica, de inexperiência na submissão à incómoda posição de entrevistado (repararam nas primeiras perguntas como os olhos dele de cabulão andaram desesperadamente à procura dos dados estatísticos inventados?), de desconexão total com a realidade daqueles que pretende governar, do cinismo que não mais consegue dissimular atrás daquele risinho, da incoerência no discurso (ao mesmo tempo que enuncia a formação de quadros como sendo o maior feito do seu governo, sublinha a gritante falta de quadros anunciando que as portas estão escancaradas à imigração), um autêntico fogo-de-artifício de lugares-comuns e um carnaval de insultos à inteligência dos angolanos.

Não iremos ressaltar a “curiosidade” de ter privilegiado uma cadeia televisiva internacional para uma tão exclusiva cedência, nem dar-nos ao trabalho de refutar as ridículas acusações que nos foram endereçadas pois são de tal modo descabidas que seria preciso um esforço colossal para alguém ainda engolir essa historieta da carochinha, ou a voluntária cegueira militante que parece obrigatória para quem deseje singrar ladjum. Preferimos deixar as imagens falarem por si e lamentar que a SIC não tenha feito uma reportagem semelhante para contrapor a maquilhagem do progresso e Estado Social que o Henrique “sorriso chinês” Cimmerman ajudou a fazer.

(English translation below)

The Central team thanks the great service offered to the Nation and the world by His Excellency Comrade Engineer Architect of Peace Immortal Guide Adjunct Commander-in-Chief President José Eduardo “Kitumba” dos Santos, in submitting himself for the first time in 22 years to a previously-studied questionnaire, so-called interview, offering us definitive evidence of having past his expiration date and the urgent necessity of his retirement.

It was a fantastic exhibition of the sterility of ideas, of rhetorical incapacity, of inexperience in submitting to the uncomfortable position of the interviewee (note how in the first questions his eyes followed his cheat sheet desperately seeking invented statistical data?), of total disconnect from the reality of those he pretends to govern, of the cynicism that can no longer be hidden behind that little laugh, of the incoherence in the discourse (at the same time that he announces the education of cadres as the great achievement of his government, he underlines the screaming lack of skilled cadres when announcing that the doors are thrown open to immigration), an authentic fireworks of clichés and a carnival of insults to the intelligence of Angolans.

We will refrain from emphasizing the ‘curiosity’ of having privileged an international television station for such an exclusive offering, nor will we go to the trouble of refuting the ridiculous accusations that were addressed to us, they were so without basis that it would take a colossal effort for someone to swallow this old wive’s tale, or a militant voluntary blindness that seems obligatory for one who wants to succeed ‘inside’. We prefer to let the images speak for themselves and we regret that SIC did not report something similar to counterpose the makeup of progress and the Social State that Henrique ‘Chinese smile’ Cimmerman helped to create.

Ontem por volta das 19h15 saí de casa com o intuito de encontrar-me com um ex-colega e chefe, nas imediações do Kapalanga, para tratarmos de um assunto de interesse mútuo. Como o bairro dele fica perto do bairro de uma amiga, Edna, tendo terminado o meu encontro, fui até a sua casa. Seriam mais ou menos 20h20.

Deixei-me estar na conversa até às 21h45 e, quando decidi voltar para casa, tomando a estrada que liga a Universidade Jean Piaget. Seguia tranquilamente por essa via e a dada altura ia atrás de uma viatura que a polícia mandou parar, numa das suas muito habituais operações “stop”.

Como também tem sido não menos frequente por parte dos automobilistas luandenses, quer por não estarem devidamente documentados, quer por terem deixado de temer as consequências de desrespeitar o agente de trânsito, quer por falta de paciência para mais uma troca de palavras desnecessária com agentes gasoseiros, o motorista do veículo deu mbaya e fintou o agente que não se deixou desconcertar, pois, a finta revelou-lhe um novo alvo a abater: eu!

O bongó assim que me viu atirou-se logo para frente da moto: “ pára, pára, pára, pára!”. Como eu trazia uma velocidade acima dos 40km/h, o bongó terá pensado que eu tencionava por-me em fuga, barrou-me a passagem e eu fui parar à beira de uma vala de drenagem. Nisso, veio outro policia, colega da barreira humana de farda azul, pegou-me na pasta à força, despoletando uma uma azeda troca de palavras, que começou com os insultos dos desrespeituosos agentes: “filho da puta” para aqui, “gatuno” para ali, coisa que eu não deixei barato, levantando-lhes a voz para acalmá-los e, seguidamente, num tom mais calmo, informá-los que era um cidadão consciente dos meus direitos que eles estariam a violar, citando os artº 60 (proibição de tortura e tratamentos degradantes) e 63 (direitos dos detidos e preso) da CRA. Isto teve o efeito desejado, fazendo com que os agentes passassem imediatamente a tratar-me de forma mais profissional.

Depois de 10 minutos apareceu a carrinha dos azulinhos, parou e perguntou o que se estava a passar. O colega começou a informar, relatando o que aconteceu de acordo com a sua eternamente distorcida percepção dos factos, tornando o agente num zeloso cumpridor da lei e o cidadão num infractor fracassado graças a sua pronta intervenção.

Exigiram que subisse no carro declarando: “estás preso por não andares com os documentos da moto”, o que obedeci.

Subindo no carro, deparei-me com um jovem debaixo do banco algemado, aparentando ter entre 26 e 27 anos de idade, a chorar. Os polícias estavam a bater-lhe forte e feio e disseram que o “ o gajo foi apanhado a conduzir sem cartas, embriagado e com porte ilegal de arma de fogo que é do pai dele, nosso colega”.

Chegámos à esquadra 45º do Kapalanga, desci do carro e entrei na casa deles. Assim que entrei, deparei-me o Comandante Barão, que me reconheceu de imediato, dirigindo-se a mim nos seguintes moldes:

    • “Tás aqui? Fizeste o quê?”
    • “Prenderam a minha moto”
    • “Ó Dr. Fábio pá, nunca mais, como vai o vosso movimento?”
    • “Vai bem”.

Já lá vinham 3 bongós a esfregar as mãos, com o ar de satisfação mórbida de quem está prestes a regozijar-se com o sofrimento alheio, preparando-se para me chapar, quando foram interrompidos nas suas intenções pelo “Chefe Barão” que lhes bradou: “Não mexem neste gajo! Se lhe tocarem, esse gajo vai falar na rádio e vai meter na net, deixam só, ele vai ir buscar os documento da moto”.

Seguidamente, ordenou que me devolvessem os documentos, e disse-me: “pode ir em casa, amanhã vem com os documento para tirar a sua moto”. Decidi ver até onde podia esticar a corda e declarei que não tinha massa para táxi. Acto contínuo, o Comandante tirou do seu próprio bolso 500 “Manguxi e Zé Dú”, também conhecidos pelo nome de código “kwanzas” e deu-mos para que me pudesse ir então embora. Como eram quase 23h, exprimi-lhe reticências em pegar a minha rota ainda por iluminar, dizendo que “através” do avançar da hora seria muito arriscado ir até a minha banda. Voltou a ser solicito oferecendo-me as instalações para que passasse a noite protegido. Deu-me uma sala com ar condicionado e TPA.

Por volta das 23h30, ligou-me o meu amigo Angelino a quem solicitei boleia e assim pude voltar em segurança para casa.

Assim foi a minha aventura nocturna com a nossa polícia e, no meio de tantas coisas para criticar, não posso omitir as que há para elogiar. Cheguei a conclusão que “isto” de ser activista tem as suas vantagens na desconjuntada parafernália de irregularidades que vigoram na nossa sociedade. Saí no lucro, tratado com a dignidade que merecem todos os seres humanos e mais rico de 500 “Manguxi e Zé Dú”.

Super! 32 é muito!

Por Fábio Sebastião

A moto apreendida

A moto apreendida

“Tudo É Deles!”

Posted: December 11, 2012 in Central in English, Corrupção, Humor

Much has been written and much has been said about corruption in Angola. Spend one day in Luanda and you will see for yourself how obviously rich some of us Angolans are. One day in Lisbon and Cascais and you will see the same. The wealth of the richest Angolans has never been officially quantified, but rest assured that people such as Isabel dos Santos, Manuel Vicente, Kopelipa, Dino do Nascimento (General Dino), and others – those names that keep  popping up whenever Angolan wealth, companies or corruption cases in Portugal are mentioned, have very wealthy portfolios. But how does this actually translate to the average Angolan’s life on the ground? How is corruption felt? How does the average Angolan consumer, or even foreign nationals living in or visiting Angola, line the pockets of the country’s “elite”? Let’s look at just how prevalent is the ruling elite’s financial influence in your day-to-day activities in Luanda. Let’s pretend you’re an expat/business traveler – this is from your perspective.

Say you’ve just landed in Luanda, made your way through our state-of-the-art airport (just kidding about the airport), waited an hour or so for your luggage and paid your driver to safely navigate your way through Luanda’s beautiful, fast-flowing streets (just kidding about the streets). Destination: your hotel. If your hotel is the HCTA in Talatona, Manuel Vicente will gladly say thank you, as him and a few of his friends illegally hold financial interests there. If not, well then, welcome to Luanda.

Meanwhile, you need to get a phone. Ideally even two phones. There are only two phone operators in Angola – UNITEL and MOVICEL. Either one you choose, you’ll be lining the pockets of our favorite corrupt Angolans. Movicel, which used to be a State company, was bought by a consortium of private companies with no known commercial activities. Their shareholders are either directly  employed by the Presidency or have direct links to it. The three most prominent shareholders are Manuel Vicente, Kopelipa and General Dino.

Nevermind, you say. You want to use Unitel instead – their adverts are funnier. Well, you’re in luck: you’re now lining the pockets of Isabel dos Santos, one of the main shareholders of Unitel, and the company GENI, owned by prominent MPLA stalwarts. You pay for your phone with your new Banco BIC Multicaixa card, and suddenly remember who one of the main shareholders at Banco BIC is: The lovely Isabel dos Santos.

All this shareholding talk is making you hungry. You’ve heard a lot about some great restaurants in the city. One of them is Oon.Dah, regarded by many as the best in Luanda. You decide to check it out and have your meal there. Congratulations – you’ve just lined the pockets of Isabel dos Santos, Oon.dah’s owner. For dinner, you decide you want a change from the delicious Asian fusion cuisine at Oon.Dah and are in the mood for some fine Brazilian steak – a rodízio, perhaps. So you call your business mates (on your Movicel/Unitel phone– Manuel Vicente, Isabel, and their friends say “cha-ching!”) and make your way to Esplanada Grill on the Ilha. Owned by…Isabel dos Santos!

You’re getting a bit tired of the traffic and don’t want to go back to the “city” just yet. “Let’s stay at the Ilha!”, you say. “Where can one hear live music?” It being a Thursday, your Angolan business mates will tell you about a great spot on the Ilha called Miami Beach. Nice breeze, great caipirinhas, and live music. When you leave there, having paid your bill, you’ll have added some more of your Kwanzas to Isabel dos Santos’ bottom line – it’s her restaurant.

“To hell with this,” you exclaim. “If I cook my own meal I bet I can have lunch without lining the pockets of the Angolan elite”, you reason, remembering that one of your friends was lucky enough to get an apartment in Kilamba. You call your Angolan mates (on your Unitel/Movicel) and ask them about a good place to do groceries near you. “Kero Supermarket”, they say. And there’s one in Kilamba! Happily having completed your purchases for your first home-cooked meal in Angola, you head over to your friend’s apartment, where you ask, “By the way, who owns Kero? It’s great in there!” “Well,”, he responds “Manuel Vicente, Kopelipa and General Dino are ultimately the main shareholders! They also own Delta Imobiliária, the only company allowed to sell Kilamba apartments and the one that got me mine!” You continue your meal in silence, stunned.

A few hours after dinner you’re watching some program about kuduro on state channel TPA 2, owned and managed by two of the President’s kids. There are two state-owned channels – TPA1 and 2; the only private Angolan channel is TV Zimbo, which you are not too surprised to know is owned by a group called Media Nova in which Kopelipa, Manuel Vicente and General Dino have significant interests. By now you’ve stopped caring. Your Unitel/Movicel phone is ringing and your Angolan friends want to take you to a night out on the town, to precisely the hottest club in Luanda. Destination: Kasta Lounge. Owner: Coreon Dú, the President’s son.

You end your day in bed, thinking “how is this even possible.” Your head is pounding. As is customary, you like to doze off to the sound of the television, and thankfully your hotel room is equipped with ZAP Cable. You land on some boring documentary that is perfect to fall asleep to.

It’s only then that you remember: Isabel dos Santos is a major shareholder at ZON Multimedia, parent company of ZAP.

Welcome to Angola.

*The title comes from a famous MCK lyric on the song ‘O País do Pai Banana’:

Também quero a paz no prato, dignidade e paz no prato./  Prefiro morrer a tiro do que morrer a fome, irmãos./ A disparidade é enorme, vivemos presos nesta armadilha, condenados a sermos escravos de três famílias./ Tudo é deles, do Talatona à Ilha, os diamantes são deles, o petróleo é deles, a imobilária é deles/ (…) para nós só temos o Zango e o Panguila./ O patrão é o colono, na terra do pai banana”.

In English:

“I also want peace on my plate, dignity and peace on my plate./ They rather shoot me than starve me, brothers./ The disparity is enormous, we are caught in this trap condemned to be slaves of three families./ Everything is theirs, from Talatona to the Ilha, the diamonds are theirs, the oil is theirs, the real estate is theirs/ (…) we only have Zango and Panguila./ The boss is the colonizer, in the Banana Republic”.

Actos de Nobreza e Paz

Posted: December 10, 2012 in Estiguem o Imperador, Humor

Este slogan pertence ao Santos Futebol Club, braço desportivo da FESA cujo patrono é o cidadão José Eduardo dos Santos. Na prática, eu não observo no dito patrono, actos de nobreza e paz. E para provar-me o contrario, que o mesmo ou alguém mandatado por ele me responda as seguintes perguntas inquietantes:

1.       É nobreza um vivo e um morto ser a cara da moeda corrente de seu pais?

2.       É paz afirmar ser herdeiro da miséria e pobreza, quando santimoniosamente ostenta opulência estonteante?

3.       É nobreza aprovar + investimento no betão do que no cidadão?

4.       É paz deixar de explicar-se publicamente a respeito do filho do Sr. João Beirão (1º presidente da FESA) que tenta ‘salvar’ o pingo de santidade que resta no patrono da FESA?

5.       É nobreza silenciar as vozes e canetas que clamam a si + atenção + educação + habitação, visto que abocanhaste o título de arquitecto da paz?

Pode ser que essas minhas perguntas, venham a ser mal compreendidas a ponto de ser caçado e eliminado…  se isso ocorrer, então o slogan actos de nobreza e paz é + de um capeta que persiste em transformar-se em santo/anjo de luz.

 

Respeitosamente,

Servidor Público (TDS)

Enquanto a maioria borra-se toda de sequer colocar um “gosto” ou “partilhar” com o seu ciclo de amigos informações reveladoras do estado do país em que (sobre)vivemos, outros desafiam os seus próprios temores diária e publicamente de forma destemida, tornando a luta pela democracia um MODO DE VIDA.

Grande abraço ao Centraleiro Fábio Sebastião, por circular pelas ruas de Luanda com a frase mais controversa dos últimos dois anos, arriscando-se a sofrer por isso represálias vigorosas. ARTIVISTA!

Artivismo Fábio Sebastião

O Carbono teve a brilhante ideia de propor à juventude carente de incentivos para se engajar em seja o que for para além do falso briho proposto pelos Tchilares que proliferam no panorama nacional, perpetuando o estado de permanente anestesia de cérebros que estacionam os seus neurónios definitivamente, num país onde pensar é perigoso.

O concurso consiste em criar uma frase que critique a EDEL pelos péssimos serviços prestados à cidade de Luanda no que toca a distribuição de um bem essencial como é a eletricidade. O carbono sugere que se pichem paredes, mas certamente que outros poderão fazer stencil, ou algo mais “bonito” do ponto de vista estético. O prémio é indubitavemente aliciante: uma câmara de vídeo!

A ideia do Carbono é simplesmente genial pois, usando a vontade maior de atingir o prémio por parte dos participantes, irá forçar gente com ativistas adormecidos em si, a puxar pela cabeça, a serem audazes e originais, a descobrirem-se e conhecerem-se melhor, a desafiar os seus temores, a perceber a importância da ação singular, que nada começa grande, a quererem adicionar a sua foice na seara.

Quanto a discussão entre arte/ativismo/vandalismo, isso fica a critério de cada um. Na nossa ótica, é mais poluição os cartazes anunciando lançamentos de álbuns de caca todas as semanas e festas da racha aberta, do que escritos que obriguem as pessoas a pensar. A diferença, é que os primeiros são autorizados, pois “inofensivos”, os últimos são “perigosos” para o poder instituído!

Abaixo o texto do Carbono colocado no facebook:

“Manos e manas, jovens audazes!

Eu, Dionísio Casimiro ou Carbono como sou também conhecido, venho por meio desta anunciar um concurso de imagem (fotografia) dirigido a todo angolano que sofre com os problemas de energia eléctrica causados pela nossa prestimosa MERDEL, desculpem, EDEL.

O concurso consiste no seguinte:

1 – Pichar um espaço público com uma frase curta e depreciativa contra a nossa querida edel.

2 – Sacar uma foto e partilhar no mural de “Carbono Casimiro” até o dia 18 de Dezembro do corrente.

3 – As fotos serão avaliadas pelo número de gostos, comentários e através de um fórum onde a mais apreciada e comentada ficará com o prémio.

4 – O proprietário da frase mais criativa receberá como prémio uma camara de vídeo portatíl jvc, que grava vídeos em hd.

5 – Dia da premiação: Domingo, 23 de Dezembro de 2012, no Bairro Nelito Soares.
Está a contar………….

Contacto: 938979220

http://centralangola7311.net

A título de exemplo, o Carbono coloca uma foto de uma parede já pichada, apesar da frase não se poder gabar pela originalidade 🙂

carbono EDEL

Estão lançados os dados. Vamos ver se pega.

Parabéns centraleiro Carbono!

Tolerámo-los durante muito tempo, mas agora estão a passar das marcas, infestando o ciberespaço com a missão única de passarem o dia a comentar desdenhosamente no club-k e angola24horas todo e qualquer artigo que lá seja publicado. Pior, fazem-no incessantemente e copiando os seus próprios comentários para o colarem como resposta a qualquer outro comentador que se pronuncie, tornando-se numa autêntica praga, tal qual spambots.

Mas a maior parte destes perfis é, na verdade, operado por um grupo não superior a 3 pessoas, que abrem contas fantasmas no facebook com intuito de criar a ilusão de serem pessoas reais com opiniões pró-regime. Esta equipa, que poderá eventualmente ser maior, já foi apelidada de “brigada cibernética” e há rumores que apontam para o nome de um conhecido Carima da nossa praça, como sendo o seu cabecilha. Outros apontam para uma equipe de brasileiros aliados à Sérgio Guerra, o dono da Maianga Produções, pois, para além de muitas das fotografias desses falsos perfis serem retiradas de sites brasileiros, há uma delas que é uma foto do próprio Sérgio Guerra, num trabalho (muito bonito) que efectuou com os povos Herero.

A nossa equipa de “detectives” recenseou os seguintes elementos comuns:

–       São frequentemente “estudantes”

–       Nunca postam mais de uma foto, retirada de vários sites na internet

–       Expressam-se num português cuidado

–       Frequentemente fazem recurso a termos jurídicos para defenderem os seus pontos de vista

–       Repetem furiosamente os seus comentários até a exaustão

–       Os seus murais não contêm postagens próprias ou pessoais. Apenas comentários no club-k e angola24horas

–       Não há um único comentário que não represente um esforço para demolir qualquer tendência crítica apresentada quer pelo artigo, quer por outros comentadores. NUNCA são imparciais ou equilibrados, dedicando-se à defesa do indefensável de forma diligente.

Vamos então à prova dos 9:

A sua foto saíu deste banco de dados pago e pode ser encontrada em vários sites como este, por exemplo.

Há uns tempos que foi colocado “de repouso”, mas certamente lembrar-se-ão dele. Trata-se na verdade do artista motswana (cidadão nativo do Botswana) Skipper Mogani. Mais engraçado ainda, O artista é na realidade UMA artista, assumida transsexual (corajosa).

Tem sido dos mais activos ultimamente. Trata-se da foto de um adepto da seleção angolana recolhido do site de notícias francês rfi, como podem verificar aqui. Tratou-se do jogo Angola – Argélia no CAN.

Este ao menos escolheu bem. É a foto de um músico senegalês, de seu nome Souleymane Diouf, que bajulou e depois não foi pago pelo partido então no poder, o PDS de Abdoulaye Wade. Cantou em homenagem a este último e ao não ser pago, fez greve de fome. Uma ideia para o Fridolim e Brigadeiro 10 Pacotes.

Este não se deu a grande trabalho para o disfarce. Diz ter trabalhado numa suposta empresa chamada Jamba Produções, no KGB e ser do sexo feminino (ou será uma pancada com os nainas?). Trata-se na realidade de um músico chamado Stevie B, autor de uns poucos hits, tendo um #1 na Billboard. Confiram aqui.

Trata-se de um modelo que pode ser visto a desfilar aqui.

Chama-se Gregorio Millet, é pesquisador da CDC, um instituto que se dedica ao estudo do SIDA, ligado à Casa Branca. A foto foi tirada daqui (rolem bem para baixo e vão encontrá-lo), mas outras podem ser vistas aqui. O SINSE que usa esta imagem, seguramente um homofóbico, deverá ficar a saber que o Gregorio é gay.

Comenta muito pouco. É o tal que usa a fotografia de um herero tirada de uma exposição de Sérgio Guerra.

Nova “aquisição”, provavelmente veio substituir a mais-velha Xana Teixeira Pesserela cujo perfil já não encontramos. Parece-nos que terá sido apagado. Reparem que no perfil a “menina” diz ter nascido em 1984, depois olhem bem para a foto e reflitam se, algum dia, uma cara rija assim podia ter apenas 28 anos. Maria Ngola é na verdade Negra Joh e a sua foto aqui está.

Outro desaparecido. Trocou a sua foto de perfil mas certamente que se lembrarão desta figura. Trata-se de um simpático rapaz Tanzaniano, Yohanne Kidolezi, com uma bonita história de vida e não de um mplano da tuji!

Tem sido indubitavelmente o mais utilizado dos bots pela brigada cibernética, a estrela da comitiva, comentando tudo e mais alguma coisa, sempre com o mesmo tom pedante e prepotente, característico de um mplano de raíz. É a foto de uma modelo baiana chamada Tamires. A foto do perfil do SINSE foi tirada daqui, mas outras fotos da modelo se podem encontrar aqui.

Concluímos que a sua intenção é criar desinteresse na leitura dos comentários no club-k, desencorajando as pessoas de comentar e interagir livremente ao encontrarem as suas chipalas por tudo quanto é canto.

Práticas criminosas, pois trata-se aqui de usurpação de identidade. Mas este regime não sabe fazer alguma coisa sem violar leis?

Mandem vir mais, que vamos continuar a expor-vos, vocês não detêm o monopólio da inteligência informática, mbandalhos!

Parabéns Club-k!

Esse jornal da bófia dá muita graça e as pessoas que não têm vergonha de “analisá-lo”, acrescentando a sua voz de forma a subscrever as barbaridades que por ali se “noticiam”, fazem-nos dobrar de tanto rir. O jornal em análise saíu no dia 22 de Setembro, dois dias depois da vigília para a não tomada de posse dos partidos da oposição.

Escutem as bacoradas deste Aurélio:

– Ele já está a gabar a tomada de posse (por supostamente terem uma informação “privilegiada” que na mesma irá haver um espetáculo pirotécnico), desvalorizando as acusações de fraude como “fabricação” e sublinhando que o TC considerou as eleições como “justas, transparentes e…. UNIVERSAIS”!?!?!

– Caíu o “mistério” sobre o local escolhido (um túmulo) e estarão presentes “CHEFES DE ESTADO” (ddduuuurrrrggghh).

– “Este é o dado mais efervescente”

– O mano Luaty afinal é o nosso líder e ele desencaminhou outras mentes fracas que entorpeceu com estupefacientes, para o seguirem na sua cruzada sem objectivos: “… contrariamente a outros jovens que sabem agir na indiferença, este grupo de meninos, sem qualquer noção de Estado, continua a percorrer objectivamente finalidades encomendadas, talvez com o intuito de trazer para Angola a instabilidade que tanto nos custou banir do nosso quotidiano”. Realmente os outros jovens “agem” na indiferença. Nós simplesmente agimos, a indiferença fica para eles, não precisamos, obrigado! É só rir com este totó!

– A melhor: “esses meninos agem mais com a cabeça do que com o coração”. AHAHAHAHAHA, fala a sério Einstein!?!

– O Club-k “é o maior causador de intrigas… publica notícias encomendadas…. caluniosas… e isso vê-se logo por causa da grafia brasileira e portuguesa”. Boa José Gama, publicidade gratuita na Rádio Ecclésia.  Mais que isso é já ser ambicioso 🙂

É só inflamação. A rádio ecclésia dando credibilidade a esse lixo, cedendo-lhes TANTO tempo para lerem os seus destaques, está na verdade, apenas e só a manchar a sua reputação que já viu dias mais risonhos.
Aperte no “play” para ser levado para o nosso mixcloud e ouvir este biju do jornalismo angolano: