Archive for the ‘Manifestação 2 Abril’ Category

Os angolanos na diáspora não ficam de fora e reivindicam também o direito à LIBERDADE DE EXPRESSÃO. De outra maneira não poderia ser pois ainda que alguns vivamos fora de angola, continuamos a ser angolanos atentos ao que acontece no nosso país.

Desde a Central 7311 pretendemos coordenar e ajudar a organizar acções paralelas à do dia 2 de Abril, convocndo reuniões pacificas em frente às embaixadas e consulados de Angola espalhados pelo mundo.

Além disso, aqui publicamos o “Manifesto dos Cidadãos Angolanos Residentes na Diáspora“, um abaixo-assinado que desde hoje pomos a circular pela internet para que os angolanos e angolanas que não vão poder estar presentes na Praça da Independência no sábado tenham a oportunidade de manifestar publicamente o seu apoio a esta iniciativa.

A Central 7311

Manifesto dos Cidadãos Angolanos Residentes na Diáspora

Nós , cidadãos angolanos residentes na diáspora, apoiamos convictamente a acção convocada para o dia 2 de Abril, às 13h00, no Largo da Independência, em Luanda, que visa reivindicar o nosso direito à liberdade de expressão.

Para além de estar consagrada na Constituição da República de Angola, a liberdade de expressão é um dos pilares da democracia e um direito inalienável do qualquer cidadão de um estado democrático e de direito. A crítica construtiva, o debate, a troca de ideias, e acima de tudo a liberdade de expressão são instrumentos essenciais para a construção de uma sociedade verdadeiramente inclusiva, onde a voz de todos é ouvida e onde a voz da minoria nunca é suprimida.

Como cidadãos angolanos na diáspora e na impossibilidade de acudir fisicamente à convocatória, manifestamos o nosso apoio através deste manifesto, para assim dar força aos nossos irmãos, primos, familiares, amigos, conhecidos ou mesmo desconhecidos que, como nós, têm fé no povo deste país, e desejam, acima de tudo, viver numa Angola melhor, numa Angola em que ter uma opinião contrária à do regime não signifique estigma social, repreensão, perda de emprego ou ataques a nossa dignidade ou condição física, numa Angola verdadeiramente livre e democrática para todos, numa Angola que atinja o seu vasto potencial como terra mãe de todos nós, onde todos podemos dar o nosso contributo independentemente da nossa filiação partidária ou ausência da mesma, independentemente da nossa religião, raça, etnia, ou tribo.

DIVULGA E ASSINA ESTE ABAIXO-ASSINADO NESTE LINK:

http://www.abaixoassinado.org/abaixoassinados/8489

Somos conscientes de que o clima de medo e desconfiança que se vive em Angola não é propício à adesão das pessoas a qualquer tipo de convocatória deste género. Mas sabemos também que essa é mais uma das razões que justifica esta acção. Num contexto de permanente desconfiança política não há condições para que se desenvolva uma democracia.

É tempo de reestabelecermos a confiança nos angolanos e que a participação política saia do âmbito partidário, que é um âmbito estagnado e viciado. Tenhamos em conta que há espaço para todo o tipo de opinião na arena do debate livre. Falamos de debate de ideias, de troca de argumentos não em prol de interesses pessoais mas sim em prol de Angola. Não estamos a falar nem de acusações gratuitas nem de uma postura de crítica destrutiva e vazia de argumentos válidos.

Interessa-nos relançar o debater e pensar Angola. Queremos que todos os angolanos possam manifestar livremente a sua opinião sobre o país, quer estejam de acordo com as políticas do regime, quer estejam descontentes e discordem dessas políticas.

Acreditamos a democracia como sistema político mais justo e que Angola reune todas as condições para construir uma democracia exemplar em África, devolvendo a soberania ao povo.

Deverá ser do interesse de todos os agentes políticos do país, organiações políticas, governo, assembleia da república, presidente da república, meios de comunicação social e principalmente da sociedade civil em geral, defender esta acção pela LIBERDADE DE EXPRESSÃO EM ANGOLA.

 

SÁBADO, DIA 2 DE ABRIL, ÀS 13:00

NO LARGO DA INDEPENDÊNCIA EM LUANDA

 

A Central 7311

MANIFESTAÇÃO PELA LIBERDADE DE EXPRESSÃO EM ANGOLA

Data: Sábado, 2 de Abril de 2011 Hora: 13:00

Local: Praça da Independência (Luanda)

 

Quando 17 pessoas são detidas por se tentarem manifestar pacificamente numa praça pública…

Quando há jornalistas entre os detidos…

Quando o próprio Sindicato dos Jornalistas Angolanos chama à atenção para como os meios de comunicação social vêem a sua actividade altamente condicionada pelo poder, quando idealmente esta deve ser objectiva e independente…

Quando até mesmo organizações internacionais chamam à atenção para a repressão que existe em Angola…

Quando, num país, discordar do regime e dizê-lo publicamente é sinónimo de ter telefones à escuta, contar com a nada discreta presença dos SINFOS no dia-a-dia e ser altamente pressionado por todos à nossa volta…

Quando a auto-censura impera entre os angolanos, que continuam a reclamar baixinho com medo de sofrer represálias…

Quando se dá deste cenário, com provas claras de violação da liberdade de expressão, não podemos de maneira nenhuma afirmar que há democracia. E, por vezes, esquecêmo-nos do porquê de exigirmos democracia para um país.

Um sistema democrático garante a legitimidade do poder dos políticos eleitos pelo povo. Uma democracia favorece, portanto, a participação de todos os cidadãos nas decisões que afectam a vida da população, havendo uma maior distribuição da responsabilidade de cada um naquilo que é a gestão do bem comum e da vida pública. Numa democracia criam-se condições para que haja mais justiça social e económica, mais horizontalidade e menos despotismo, salvaguardando-se, deste modo, a dignidade do ser humano. É por isso que queremos uma democracia em Angola, não nos esqueçamos.

Mas uma das condições indispensáveis para que uma democracia vingue é a liberdade de expressão. Só se há liberdade de expressão há livre escolha e auto-determinação das pessoas. Só assim o voto tem sentido. Caso contrário, é meramente figurativo. O debate desaparece quando não há liberdade e sem debate de ideias não se avança – o poder concentra-se nas mãos de poucos e prevalece a injustiça, a violêcia e o medo.

Em Angola é difícil quebrar essa dinâmica viciada do “fala-baixinho” e do “cuidado com a boca”. Vivemos num contexto onde nos habituámos a não expressar livremente a nossa opinião porque, como é natural e bastante compreensível, não queremos correr o risco de perder o trabalho ou sofrer qualquer tipo de represália maior, seja sobre nós, seja sobre os nossos. Por isso, qualquer um que se posicione claramente contra o governo ou contra o presidente da república chega mesmo a ser considerado insensato e irresponsável. Este é o ponto a que chegámos há muitos anos, não é de agora. Infelizmente, grande parte dessa geração que libertou o país do colonialismo em 75, hoje tem uma atitude repressiva e reprovadora face qualquer acto de discórdia por parte da juventude.

No entanto, a História, tanto a distante como a bem recente, conta-nos que quando a mobilização é realmente forte e um grande número de pessoas se une por uma causa, então consegue-se mudar o rumo dos acontecimentos. Temos que ter isso em mente.

Dia 2 de Abril vamos sair à rua para exigir liberdade de expressão no nosso país. Motivos não nos faltam e qualquer angolano é consciente desse facto. Por isso, apoiar esta manifestação se torna tão indispensável. Chegou a hora de tirarmos esse peso da consciência e finalmente passar à acção. Além do mais, esta manifestação pacífica e apartidária está de acordo com a lei, já que foi devidamente comunicada ao Governo Provincial de Luanda no dia 24 de Março, como pode ser visto no documento abaixo. De acordo com a lei 16/91, o GPL teria 24 horas para proibí-la mediante uma justificação por escrito, caso contrário está automaticamente legalizada.

Aos governantes que estarão tentados a proibir esta manifestação, alertamos que proibí-la ou tentar dissuadir através do medo, como aconteceu no passado dia 7 de Março, dá automaticamente razão aos manifestantes. Portanto, não seria inteligente tomar tal atitude.

DEIXEM que o debate seja livre em Angola. DEIXEM que as pessoas pensem pelas suas cabeças, sem manipulação. DEIXEM que discutam entre elas em busca de melhores soluções para o nosso país. DEIXEM de ameaçar pois assim só revelam fraqueza. Esforcem-se antes por merecer estar no poder e honrem a vossa função.

Nós, sociedade civil, queremos ter voz. Queremos ter voz e ser ouvidos. Queremos fazer parte do debate político e opinar sobre o futuro da nação simplesmente porque nos diz respeito. O que vocês decidem é a nossa vida e muitos estamos descontentes e insatisfeitos. Exigimos liberdade de expressão em Angola, especialmente quando se avizinham eleições no nosso país e queremos poder decidir livremente o nosso destino e consolidar a nossa democracia.

Por isso, convocamos esta manifestação absolutamente pacífica e apartidária. Para aqueles que vão tentar confundir as pessoas, que fique claro que não há nenhum fantasma detrás desta convocatória. Somos nós, angolanos e angolanas preocupados com o nosso país, a querer sair à rua para pedir liberdade.

A Central 7311



Está convocada uma manifestação pacífica e apartidária para o dia 2 de Abril, sábado, às 13:00 no Largo da Independência em Luanda sob o lema LIBERDADE DE EXPRESSÃO EM ANGOLA.

Mais informações aqui na Central 7311.