Archive for the ‘Manifestação 25 Maio’ Category

Dia 7 de Março fomos apanhados na praça da independência com estes panfletos. Hoje, depois de tudo o que nos têm feito sofrer, estes continuam a ser os panfletos mais adequados, actuais e pertinentes e voltarão a ser distribuídos pelos manifestantes no dia 25. VAMOS NESSA MANOS!

Nestes últimos dias instalou-se a polémica à volta dos elementos do MRIS que teriam supostamente convocado uma manifestação em frente a Assembleia Nacional para o dia 26 do mês em curso. Nós da Central estivemos com um cuidado redobrado antes de nos pronunciarmos oficialmente, pois conhecemos as manhas do MPLA e da sua poderosa máquina propagandista que convence os insuspeitos cidadãos de tudo a que se propõe, desde os corações em geleiras da FNLA, até ao exílio do Luaty, de modos que achamos que seria prudente ter confirmações, que vieram da voz dos próprios representantes do MRIS, reconvertido de M.ovimento R.evolucionário de I.ntervenção S.ocial para M.ovimento de R.eintegração e I.ntervenção S.ocial, do dia para a noite, numa vertiginosa inflexão de discurso, evidenciando uma colossal imaturidade quando tentam fazer-nos (angolan@s que lhes depositavam alguma fé) de parvos com justificações para lá de esfarrapadas, a tentarem explicar o seu novo objeto social.

Desejamos a maior das sortes ao MRIS, pelo menos já não terão de se sujeitar às pressões e ameaças que estoicamente suportaram durante os últimos meses, podendo agora dedicar-se às suas novas atividades com o beneplácito de quem antes criticavam e consequentemente, agora concordantes com estes.

Não podemos no entanto deixar de condenar a irresponsabilidade desses jovens que, assim agindo, dão a entender que o seu engajamento não foi mais do que oportunista e uma brincadeira de adolescentes, defraudando mais uma vez as centenas de pessoas que a cada vez que decidem confiar em alguém, são uma e outra vez atraiçoadas pelo egoísmo dos supostos ativistas após um aliciamento financeiro. Isso só pode incitar outros MRIS a formarem-se, pois acaba por ser um bom negócio: uma porrada daqui, uma ameaça dali, uma noite na esquadra, mas no final a recompensa: carros, dinheiro (4000 usd?!?!) e sabe-se lá mais que rol de promessas vãs.

Demarcamo-nos solenemente desse grupo e, não nos arrogando a títulos que o futuro poderá vir a cobrar, declaramos aqui a nossa vontade de continuar, da maneira que nos for possível, a reclamar pelos direitos dos socialmente marginalizados.

Abaixo seguem as entrevistas concedidas pelo Luís Bernardo e pelo Mário à rádio. Deplorável!

Este tipo de jovem que conhece o perigo do uso da palavra num país como o nosso e ainda assim escolhe chamar as coisas pelos nomes, este tipo de jovem que não rasteja de medo antes de pronunciar “José Eduardo dos Santos” e “MPLA”, este tipo de jovem que atira pedras contra as rpg7, com atitudes tão singelas, está a transformar o dragão em minhoca, a dobrar os sinos, a partir o barro dos pés desse pseudo-gigante. Força Juventude, os nossos pais nos libertaram e os nossos pais nos estão a escravizar, vamos destruir esse paradoxo criminoso.

Haverá sempre aqueles que acham que as coisas são manipuladas e que as pessoas visadas não buscam mais do que atenção. Esses terão sempre argumentos para conjeturar as mais rocambolescas teorias da conspiração, descredibilizando cada prova que apresentamos como sendo uma fabricação. Cada um é livre de fazer o seu juízo, nós não fazemos mais que dar-vos o material.

As imagens abaixo correspondem a uma mensagem via telemóvel recebida pela mãe de Luaty Beirão no dia 23 de Maio, dois dias antes da manifestação de dia 25 e um dia antes da agressão de que foi alvo na via pública. A mensagem foi enviada para 5 outros números, todos eles de indivíduos que teriam participado numa reunião de grupo no dia 21.

*Mesmo com uma manifestação devidamente comunicada ao GPL.  Ainda que alguns insistam em afirmar que os organizadores não estavam bem identificados na carta, a LEI –  uma famosa lei que já postamos muitas vezes aqui na Central – é explícita ao dizer que todos os promotores devem ser avisados por escrito durante as seguintes 24 horas.

*Mesmo quando os promotores da manifestação, do MRIS, sofrem ameaças de morte. Pode ser visto nos videos que circulam pela internet, onde os jovens do MRIS explicam, além das pressões que têm sofrido, também as suas motivações.

*Mesmo quando 3 desses promotores são detidos pela PN nas vésperas da manifestação, sem justificação sólida.

*Mesmo com a violência verbal, com a intimidação, com as armas exibidas, com as detenções ilegais.

*Até mesmo com a festa do outro a uns escassos metros da estátua no centro do Largo da Independência…

A MANIFESTAÇÃO DO DIA 25 ACONTECEU.

Neste video pode-se ver o momento das detenções:

Alguns dos manifestantes já tinham sido algemados e levados para a esquadra, dentre os quais a kota Elsa. A polícia agiu com arrogância e à margem da lei, não conseguindo nos dar uma justificação legal para nos mandarem sair do largo, alegando o sempre vago: razões de segurança pública! Exibiram-nos um documento que tinha na sua primeira página uma ordem do SINSE e que eles descuidadamente nos deixaram ver, na segunda uma nota do GPL a dar a conhecer a polícia que a manifestação seria ilegal por violar o ponto 2º da lei 16/91, já que, não sendo um feriado, só poderíamos nos juntar ali para manifestar depois do horário laboral (19h00). Essa nota vinha datada de 19 de Maio. Ora, o que o GPL se esquece, é que dentro da mesma lei que usaram ABUSIVAMENTE para inviabilizar a manifestação, existe um artigo, o 7º, que obriga a entidade competente (GPL) a comunicar POR ESCRITO a inviabilização da manifestação A TODOS OS SEUS PROMOTORES, no prazo de 24 HORAS!
Esclarece ainda no seu ponto 2, que caso esse preceito não seja cumprido, a manifestação estará AUTOMATICAMENTE considerada LÍCITA!

Como podem confirmar aqui, a carta do MRIS foi entregue com acusação de recepção do GPL no dia 6 de Maio. A comunicação feita exclusivamente à PN, data de dia 19. Aqui há dois aspectos perversos típicos da mente distorcida de quem quer fazer o jogo das baçulas jurídicas:

– a omissão na carta dirigida à PN do artigo 7 da referida lei que torna ILEGAL a ILEGALIZAÇÃO
– a maldade de não anunciar a mais ninguém senão a PN que deveriam IMPEDIR a manifestação pois esta seria ilegal. Se eles tivessem usado dos seus tentáculos de serviço público para anunciarem repetidamente na rádio/tv que tinham recebido a carta mas que havia discrepâncias com a lei e por lhes ser difícil contactar os promotores (eles foram obrigados a deixar os endereços no envelope) usavam do meio x,y ou z para comunicarem oficialmente da ilegalização da manifestação, aí seria mais fairplay. Não o fizeram mesmo para nos obrigarem a, mais uma vez, nos forçarem à desagradável situação que o vídeo abaixo vos ilustra:

Para quem quer fazer o download da lei de reunião e manifestação, pode pegá-la aqui

Não se trata de tentar persuadir mais pessoas a participarem na manifestação, mas sim de denunciar estas práticas bárbaras do escalão mais baixo do MPLA, onde as pessoas para além de básicas, refletem amplificadamente a mentalidade de partido único dos dirigentes, mostrando que não sabem lidar com a diferença de opinião e com convicções resolutamente opostas as impingidas pelo partido, lidando com estas como se pode ouvir em mais esta gravação telefónica. Trata-se também de ilibar o Luís Bernardo das acusações de que tem sido alvo pelos cépticos que o acusam de estar a inventar essas “perseguições”. Vê-se claramente que estes pretendentes à algozes são AMADORES, mas não é por isso que não se deva levar a sério uma ameaça à vida tão direta e contundente.